sábado, 30 de julho de 2011

Turismo? E agora Braga?

O Presidente da República disse há uns tempos que a nossa prioridade deveria ser o mar. Concordo que sim, o Estado tem descurado uma das grandes riquezas nacionais, porém o Turismo - que tem tido um crescimento significativo anual, devido às facilidades económicas concedidas pelas empresas low-cost e pela quebra da exclusividade sazonal - surge como um factor de riqueza nacional sem precedentes. Somos um país com um clima muito atractivo, com as melhores praias da Europa e com uma monumentalidade que advém de uma longa história como nação independente e pelo facto de termos estado na periferia de conflitos altamente nocivos para o património material.
Surgem então questões relevantes: não será o Turismo o sector mais decisivo para a nossa economia, a melhor forma de fazer 'entrar' capital externo no nosso mercado? Que papel poderá ter Braga numa região de Turismo denominada "Porto e Norte"? Não deveríamos vincar cada vez mais os cartazes de promoção da própria cidade, para sobreviver ao sufoco provocado pelo fenómeno 'Porto e Douro'?

TUREL com proposta inovadora

A TUREL, cooperativa de Turismo Cultural e Religioso, que está sediada na cidade de Braga, irá reunir-se no próximo dia 8 de Agosto com o ministro da Economia. Em cima da mesa estará uma inovadora proposta para a criação de guias residentes em todos os lugares passíveis de serem alvo de interesse turístico. Segundo as contas dos responsáveis, existem cerca de 4 milhares de lugares visitáveis, dentro do âmbito desta organização, entre catedrais, igrejas e santuários. A criação de guias residentes, para além de fomentar o Turismo, que poderá ser decisivo para a nossa economia (continua a crescer em Portugal, cerca de 5% ao ano...) significaria a criação potencial de cerca de 12 mil novos postos de trabalho. 
Uma ideia inovadora e positiva de uma entidade que tem em Braga o seu epicentro e que tem tido um crescimento e visibilidade consideráveis. A prova de que nem tudo o que funciona bem e abrange todo o território nacional não tem que estar sediado em Lisboa.

sexta-feira, 29 de julho de 2011

O Hino da cidade de Braga

Braga Augusta, teu historial sem par,
Que nos apraz lembrar, já muita idade tem
São nobre os trilhos do teu mui longo andar,
Que até nós vêm teus cidadãos e filhos.

 Bracarenses, soem hinos
À cidade digna de louvor e glória
Nós cantamos Braga Eterna
Que uniu sempre a Fé e a Pátria em sua história

Dois milénios levou o tempo à foz,
Desde a romana voz que Augusta te chamou.
Por graça infinda, o bimilénio após,
Não te enrugou: és jovem Braga ainda!

13,6% das insolvências afectaram distrito de Braga

No primeiro semestre deste ano registaram-se 3.104 insolvências em Portugal. O distrito do Porto lidera a lista dos mais afectados pelo fecho de empresas. O distrito de Braga continua em foco no abrandamento económico. É o terceiro distrito com mais insolvências, representando 13,6% do total nacional, um número significativo tendo em conta o seu peso demográfico. O vale do Ave continua a ser o mais afectado, sendo as empresas têxteis líderes no que toca a falências.
Uma análise mais profunda obriga-nos a apelar a uma reflexão com consequências efectivas no tecido económico do distrito. As áreas de especialização, como o calçado, lanifícios e têxtil, representaram durante décadas fontes de riqueza e crescimento económico para as nossas populações. Na última década tentou-se salvar este tipo de indústrias, mesmo quando os sinais económicos apresentavam uma quebra significativa nas exportações. Não valeria a pena começar a modificar as áreas de intervenção? Não temos continuamente que ser criativos, analisando os sinais dos tempos, e tentando uma adaptação às novas exigências?
O comodismo é um perigo para a economia e para a sua própria competitividade. Muitas empresas perceberam e mudaram ou adaptaram o ramo de actividade. Que a história recente nos possa servir de lição para o futuro.

A Falperra está em festa!

Hoje é dia de Santa Marta, e Braga festeja a sua segunda maior romaria. O percurso que liga a barroca Capela de Santa Maria Madalena à singela Capela de Santa Marta respira festa e alegria.
Para os amantes do património, este dia surge como oportunidade para apreciar devidamente o antigo retábulo-mor do demolido convento dos Remédios, que se encontra da Capela de Santa Marta. Trata-se de um exemplar de talha dourada, ao gosto do barroco do período nacional, executado em meados do século XVIII e para aqui trazido aquando da demolição do referido convento, que aconteceu no ano de 1911. Igualmente apreciável - e já referida neste blog - é a Capela de Santa Maria Madalena. Obra de André Soares, quer a fachada quer os três retábulos do interior, destaca-se também pela fantástica imagem de Cristo crucificado, saída das mãos de João Evangelista Vieira no início do século XX.
Para quem gostar de festa, não falta bom vinho verde e os petiscos típicos das romarias minhotas.

Picoto: Justiça chama a si expropriações

O Tribunal Judicial de Braga decidiu, segundo notícia veiculada no Diário do Minho, chamar a si o processo de expropriações dos terrenos onde irá ser construído o Parque urbano do Picoto. Desta forma, a Câmara Municipal de Braga é desautorizada no seu intuito de posse administrativa dos terrenos. A maior implicada no processo é a arquidiocese de Braga, pois detém a maioria dos mesmos. Esta notícia, não só denuncia alguma insensibilidade da autarquia na condução do processo, com também justifica a existência de mais um atraso no arranque do projecto. As verbas do QREN poderão fugir caso o processo não corra de forma célere...
Esperemos, sim, que não haja mais interesses imobiliários de empresas de construção civil que, afectadas pela crise, tentam que a autarquia seja promotora da sua actividade económica. Esperemos...
E os bracarenses continuam a aguardar o tão ambicionado parque da cidade!

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Manifesto à direcção de informação da RTP Porto

É verdade... A RTP ainda é do Estado, ainda não foi privatizada e ainda tem como missão primordial o serviço público. Infelizmente nunca foram criadas condições para o estabelecimento de uma delegação da televisão pública em Braga, sendo uma televisão privada a primeira a dar um sinal da relevância que a cidade vai almejando a nível nacional. 
A verdade é que um dos maiores acontecimentos do ano é repetidamente ignorado, mesmo após várias manifestações formais da parte dos responsáveis autárquicos e corporativos: as Festas de São João! Depois de pequenas referências em anos anteriores, seguiram-se dois anos consecutivos sem que houvesse uma única menção ao facto de Braga estar a viver o seu momento alto na agenda anual. O que se passa?
Hoje, na actualidade desportiva dos noticiários da RTP 1 e da RTP-N ouvimos falar do Chelsea e do Real Madrid...para nem falar desse grande jogo da pré-eliminatória da Liga dos Campeões (lembram-se como falaram do Braga quando, na mesma fase, derrotou o Celtic de Glasgow???). O Sporting de Braga venceu por 3-0 na partida de apresentação de uma equipa da Liga principal, o Gil Vicente. Para a RTP nada se passou... Agradeçamos à TVI a gentileza de lá ter ido!
A dependência informativa da delegação do Porto, para um distrito e região que representam cerca de 10% da população portuguesa é altamente reprovável. A actualidade 'portuense' aglutina as atenções e sai mais barata, dado que as portagens da A3, A7 ou A28 não param de aumentar...
A verdade é que o Minho existe! A terceira cidade de Portugal existe! Guimarães, Barcelos ou Viana do Castelo também existem... No próximo ano teremos a Capital Europeia da Cultura no Minho. Também a Capital Europeia da Juventude... Ena! E nada disto no Porto. Como se comportará a informação da RTP Porto?
Que seria de nós sem as televisões privadas?

Regionalização? Talvez! Com o Porto como capital e integrante de uma região do Entre-Douro-e-Minho? Nunca...

Fogo ameaça Sete Fontes

Um incêndio de relativas dimensões atingiu esta tarde a área florestal envolvente das Sete Fontes. Recentemente classificadas como Monumento Nacional, depois de um processo longo e árduo devido à especulação imobiliária sobre os terrenos - dado que o novo hospital é ali ao lado... - este acto aparece envolto numa presumível mão criminosa. Esta opinião é confirmada pela Junta de Freguesia de S. Vitor que refere haver indícios de fogo posto.
Na passada semana, Ricardo Rio, líder da oposição na autarquia, havia recordado o projecto de um parque urbano e monumental nesta área...

A caminho da UNESCO

Os bracarenses mais atentos já terão contemplado certamente a remodelação do santuário e parque do Bom Jesus do Monte. Na esplanada principal do santuário e a zona central do parque, onde se localiza o lago, os trabalhos estão concluídos. Seguem-se as capelas e escadórios, bem como a restante área do parque. O plano é ambicioso, porém a confraria, em conjunto com diversas entidades, estão a procurar financiamento - nomeadamente mecenato - para concluir esta autêntica 'limpeza de imagem' que está a ser feita em toda a área do santuário. O objectivo está claramente definido: candidatar o Bom Jesus do Monte a Património da Humanidade! Dada a beleza inebriante do local, conjugando de forma sublime a obra do homem com a natureza, alguém acredita que não poderemos almejar tal estatuto da parte da UNESCO?

O Enorme está de volta!

Com uma exibição afirmativa e portentosa, o Sporting Clube de Braga venceu ontem mais um jogo de preparação, arrecadando igualmente o trpféu em disputa. Tratou-se do jogo de apresentação do Gil Vicente, clube vizinho e amigo - com o qual negociou os reforços Zé Luis e Rodrigo Galo - que disputava o Troféu Crédito Agrícola. Os visitantes cedo se apoderaram do jogo, materializando a sua supremacia ao minuto 19', através de Zé Luís que finalizou um brilhante passe de Leandro Salino. Ao minuto 33', e na sequênmcia de um pontapé de canto marcado por Pizzi, o mesmo ex-gilista Zé Luís marcou oportunamente o segundo golo do jogo. 
A segunda parte da partida trouxe algumas novidades, nomeadamente a entrada de Lima para o flanco esquerdo, Mossoró e Nuno Gomes. O entendimento entre os atacantes pareceu bastante maturado, surgindo diversas situações de perigo. Uma delas teve consequências: resposta perfeita de Nuno Gomes a um cruzamento da esquerda de Lima, numa jogada típica de insistância atacante. Isto aconteceu ao minuto 66 da partida.
No final Leonardo Jardim saiu bem mais contente que o seu congénere barcelense, Paulo Alves. Ainda há espaço para reforços, nomeadamente a contratação de um defesa-central experiente e de um criativo para o ataque (Magrão do Dínamo de Kiev é o alvo). 
O próximo jogo de preparação dos guerreiros do Minho irá decorrer em Itália, organizado pelo Atalanta, onde a equipa disputará o Torneio Bortolotti.
As indicações positivas já começam a aparecer cada vez mais claras e o trabalho idealizado pelo treinador começa a ter visibilidade. Desta vez já nem se comentou a suposta fragilidade defensiva.
O Enorme está volta e, mesmo que muitos não gostem, veio para ficar!

sábado, 23 de julho de 2011

São Martinho de Dume e os dias da semana

Em tempos de desânimo e crise, é salutar recorrer a exemplos que alimentem a auto-estima e nos ensinem a apreciar os frutos da nossa originalidade e criatividade. Assim é, com uma das designações que mais usamos no quotidiano – os dias da semana – e que tornam Portugal na mais original nação da Europa.
Certamente que nunca nos perguntamos porque é que chamamos quinta-feira à quinta-feira. Depois será a sexta-feira e o seguinte sábado. Sabemos que noutros países, onde as raízes culturais são semelhantes à nossa, os nomes atribuídos aos dias da semana nada têm de similar – excepto o sábado e o Domingo – à denominação que o nosso país utiliza. Já se perguntaram porquê?
Aqui ao lado, na vizinha Espanha, a segunda-feira denomina-se lunes, dia da lua; a terça-feira é martes, dia de Marte; a quarta-feira miercoles, dia de Mercúrio; a quinta-feira chama-se jueves, em alusão a Júpiter; e a sexta-feira viernes, Vénus, um dos deuses pagãos da civilização romana. Da mesma forma o francês, inglês ou alemão utilizam os nomes da raiz pagã. Em algumas nações, fortemente marcadas pelo cristianismo, escaparam os dias de descanso que tomam os nomes ligados ao preceito religioso: o Sábado, que recorda o Sabat judaico (Deus descansou ao sétimo dia) e o Domingo, do latim dominus, que quer dizer dia do Senhor, em alusão à ressurreição de Jesus Cristo. Apesar disso nos países anglo-saxónicos o Domingo denomina-se sunday, que quer dizer dia do Sol, a maior estrela do firmamento.
O grande responsável pelo facto de Portugal se demarcar do paganismo semanal foi S. Martinho de Dume. Martinho era natural da Panónia, província romana situada no território da actual Hungria, tendo nascido presumivelmente no ano de 520. Este santo foi bispo de Braga de 562 a 579, numa época conturbada em termos religiosos, na qual exerceu um papel fundamental em termos diplomáticos e religiosos. Em tempos de heresias, Martinho conseguiu converter o rei suevo, cuja corte se situava em Braga, ao cristianismo e, desta forma, conseguiu converter todo o Reino. Era um homem de uma eloquência e sabedoria elevada e por isso proferia discursos e pregações excepcionais. Legou-nos alguns livros de enorme valia no campo moral e ético, documentos que utilizou para purificar a fé do seu supersticioso rebanho. A influência de mitos, medos e superstições no imaginário do povo, conduziam a uma fé pouco depurada de influências pagãs e incoerente com a fé em Jesus Cristo. Dentro desta ‘limpeza’ se inclui a dos dias da semana. Assim, o dia da Lua passou a ser a feria secunda, o dia de Marte a feria tertia e o dia de Mercúrio a feria quarta… adoptando-se a designação da liturgia eclesiástica (a liturgia ferial é a designação usada para os dias úteis). O primeiro dia da semana é o Domingo, na qual se recorda a ressurreição de Cristo, por isso a segunda-feira é o segundo dia semanal, ficando bem vincada a marca cristã nas denominações quotidianas.
De entre as obras de São Martinho de Dume, saliente-se o De correctione rusticorum, que traduzido significa ‘Correcção dos erros dos rústicos’. Os rústicos eram aqueles povos rurais que permaneciam apegados às velhas superstições do paganismo. Esta obra é uma epístola moralizante que tenta fornecer critérios de acção à luz da fé que professam pelo baptismo. S. Martinho apela à coerência de vida destes povos. “Os ídolos, os demónios, o culto das forças da natureza, o hábito de dar aos dias da semana o nome de deuses da mitologia greco-latina, as práticas divinatórias, as superstições como o celebrar o dia do rato e das traças, são criticados por não serem consentâneos com o estatuto de um verdadeiro cristão”. Por isso mesmo, urgia a modificação do nome dos dias da semana.
Nos primeiros séculos, foi tarefa primordial do cristianismo a purificação das inúmeras superstições e costumes pagãos que continuavam a vigorar nos povos já convertidos à fé em Cristo. A tentativa de conjugar estes ritos com a nova fé era muito frequente. Martinho, na sua missão de bispo metropolita cujo domínio superava largamente o da sua diocese, enfrentou como principal desafio depurar esta fé vivida debaixo de influências pagãs.  O cristianismo tentava, então, apagar os vestígios de rituais e superstições herdadas da ocupação romana.
Dado que a influência de Braga se estendia, à época, até à Galiza, hoje em dia também os galegos nos acompanham na denominação dos dias da semana. S. Martinho de Dume é o padroeiro principal da arquidiocese bracarense.

Sporting de Braga vence troféu Município de Melgaço

Os guerreiros do Minho ultrapassaram esta tarde, sem dificuldade, o Desportivo das Aves da Liga Orangina, vencendo por 2-0. Com golos de Pizzi aos 12 minutos e de Guilherme ao minuto 74, os bracarenses esqueceram a derrota de ontem frente ao Celta de Vigo. Recorde-se que a equipa avense bateu o Vitória de Guimarães por 1-0 no último jogo-treino disputado...
Este jogo encerrou o estágio da equipa em Melgaço.

Parque do Picoto avança até Setembro

Segundo uma notícia veiculada ontem no Diário do Minho, o presidente da Câmara, Mesquita Machado, está mesmo interessado em avançar com a construção, e respectivo concurso público, do parque urbano do monte Picoto com a maior celeridade. O problema que se coloca são as expropriações de terrenos que implicarão um provável lítigio com a arquidiocese de Braga, que é detentora de uma parte significativa dos mesmos. Segundo o mesmo periódico, os responsáveis diocesanos estão dispostos a levar a situação às instâncias judiciais, caso a Câmara avance sem uma sondagem prévia aos titulares dos terrenos. O líder da oposição, Ricardo Rio, refere que não há urgência no processo de construção do parque do Picoto, desviando a sua atenção para o projecto do parque monumental das Sete Fontes. Há ainda o prazo limitativo para atribuição das verbas prescritas no QREN, que podem fugir caso o projecto não avance... Resta saber se os bracarenses, sedentos como estão por espaços verdes, têm paciência para guerrilhas políticas que atrasem e condicionem ainda mais o andamento dos referidos projectos.

Partido Socialista tem novo líder

O principal partido da oposição elegeu hoje o novo secretário-geral. Ainda não há resultados oficiais, mas é certa a vitória de António José Seguro com larga margem sobre Francisco Assis, o candidato derrotado. Espera-se que o novo líder - que foi cabeça de lista pelo distrito de Braga nas últimas legislativas - seja capaz de constituir uma oposição credível e construtiva ao novo executivo, e que seja sensível aos anseios e necessidades do nosso distrito.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Braga perde nos Balaídos

O Sporting Clube de Braga perdeu esta noite o primeiro ensaio da pré-época. Em Vigo disputava-se o Memorial Quinocho, que todos os anos marca o jogo de aprsentação da equipa galega aos associados. Actualmente a disputar a II Liga espanhola, o Celta de Vigo venceu por 2-1, sendo os golos marcados no decorrer da 2.ª parte. Ao minuto 52 os galegos adiantaram-se de penalti. De seguida o central Henrique empatou para os bracarenses e ao minuto 71 o Celta marcou o tento final. Mais apontamentos para os Guerreiros do Minho corrigirem...

Braga em destaque na RTP

Hospital de Braga: enfermeiros continuam em luta

Os enfermeiros do bloco operatório do Hospital de Braga iniciam amanhã uma greve às horas extraordinárias. Na origem do protesto estará a presumível falta de compromisso da administração relativamente a algumas garantias dadas: excesso de horas de trabalho, falta de pagamento de horas extraordinárias e o não pagamento de um 15.º mês, prometido pela administração como prémio por objetivos alcançados. A gestão privada do hospital público parece ainda não ter sido assimilada por todos os seus funcionários. Poderemos questionar se um serviço público, como é o sistema nacional de saúde, poderá ser entregue nas mãos de privados sem a devida salvaguarda dos direitos dos cidadãos...

A jóia da Falperra!

No dia em que a Igreja recorda Maria Madalena, é oportuno salientar um dos principais monumentos barrocos de Braga. A Capela de Santa Maria Madalena da Falperra, saída das mãos do grande André Soares na década de 50 do século XVIII, é um dos monumentos barrocos mais relevantes do concelho de Braga. Apesar das polémicas sobre se a linha de fronteira entre Braga e Guimarães passa atrás da sacristia ou em frente da fachada, a verdade é que foi erigida voltada à cidade dos arcebispos e a expensas dos fiéis bracarenses. Mais bracarense é difícil, mesmo que nos anos 60 alguém se tenha lembrado de desenhar a linha da carta militar um pouco mais à frente do que duas décadas antes...
A fachada marca pela originalidade dos traços, as duas 'falsas' torres, o janelão central e o seu enquadramento no retábulo de pedra desenhado pelo arquitecto do Minho. O traçado rococó continua no interior, onde se podem admirar três retábulos, também de André Soares, que completam com sublimidade o percurso iniciado no exterior. Saliente-se a imagem de Cristo na cruz, que preenche o retábulo-mor, encomenda do início do século XX, ao grandioso escultor bracarense João Evangelista Vieira, e que inspirou o escritor lisboeta Antero de Figueiredo numa das suas grandes obras "O último olhar de Jesus".  Para crentes ou não-crentes, vale a pena admirar!

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Pudim Abade de Priscos, maravilha da gastronomia!

Durante todo o dia de ontem, a RTP transmitiu o seu programa 'Verão Total' em directo da cidade de Braga, mais propriamente da Praça da República. A iniciativa inseriu-se na eleição das 7 maravilhas da gastronomia nacional. O Pudim Abade de Priscos, iguaria brácara, está em concurso, inserido nos 21 finalistas. Concorre directamente com os pastéis de Tentúgal e com os pastéis de Belém. A concorrência de peso, com o oponente lisboeta a ser o favorito, convida os bracarenses a mobilizarem-se para elegeram a sobremesa 'maravilhosa'. 

terça-feira, 19 de julho de 2011

Os guerreiros voltam aos triunfos!

Naquele que foi o quarto jogo de preparação, e o primeiro agendado para o estágio de Melgaço, o Sporting de Braga venceu o Moreirense da Liga Orangina por 4-1. Os golos arsenalistas foram obtidos por Meyong, auto-golo de Miguel Oliveira, Nuno André Coelho e um golaço de Pizzi a fechar.
No dia em que anunciou o polivalente defesa Paulo Vinicius - ex- Leiria - como reforço, os guerreiros do Minho voltaram a dar indicações positivas. Esperam-se novidades esta semana...

Obrigado ao Diário do Minho!

segunda-feira, 18 de julho de 2011

E o parque urbano do Picoto?

 
Muito comentado aquando das últimas eleições autárquicas, chegou a receber a garantia das verbas do QREN em acordo assinado com pompa no Theatro Circo em Maio de 2009. A partir daí, um silêncio quase ensurdecedor, quer da autarquia quer da oposição, deixa os bracarenses muito distantes do seu maior anseio: espaços verdes! Há um projecto aprovado, com concurso público terminado... E agora? Talvez nas eleições de 2013 se volte a falar do Parque urbano do monte Picoto...

A tragédia cultural de 1834...

No sábado passado aderi a uma salutar iniciativa da secção juvenil de um partido da concelhia de Amares: visitar o mosteiro de Santo André de Rendufe. Trata-se de um dos mosteiros beneditinos que sofreu as agruras do decreto de lei datado de 30 de Maio de 1834, que extinguiu as ordens religiosas em Portugal. Para além dos prejuízos culturais evidentes, uma vez que as ordens religiosas facultavam ensino ministrado a uma parte significativa da população portuguesa, sobraram os prejuízos patrimoniais, uma vez que estes mosteiros e conventos detinham um património arquitectónico e artístico invejável. Este mosteiro encontra-se arruinado, à excepção da igreja, conservada pois ficou ao serviço da paróquia. O resto foi delapidado por particulares e assaltado, estando praticamente perdido. Em Tibães ainda se conseguiu salvar uma parte significativa do espólio. Aqui é difícil uma possível recuperação. Talvez o exemplo do vizinho Mosteiro de Bouro possa ser aplicado aqui, reconvertendo o que sobrou em alguma iniciativa turística. Como foi possível, em nome de um avanço civilizacional, promover uma lei que fez tanto mal à cultura no nosso país? Fica a lição dada pela história...

domingo, 17 de julho de 2011

Empate para Salvador ver...

O Sporting de Braga empatou a duas bolas no recinto do Leixões, em jogo treino realizado ontem em Matosinhos. Os golos minhotos foram alcançados por Hugo Viana e Meyong. O empate surgiu depois, soando como alarme para um sector defensivo pouco condizente com as ambições do clube... O estágio inicia-se hoje e aguardam-se novidades!

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Jardim espera reforços

Leonardo Jardim, o novel treinador dos Guerreiros do Minho, confirmou hoje em conferência de imprensa o desejo de contar com mais reforços. Salientou particularmente o sector defensivo, carente de uma referência com a experiência de um 'Moisés' ou 'Nem'. O Sporting de Braga, apesar de contar já com duas vitórias nos jogos de preparação disputados, parece efectivamente carente no sector mais recuado. Foi enorme a razia na defesa e, por isso, é essencial não entrar num período de experiências na fase inicial da época, algo que poderia custar caro ao sucesso da equipa. Um ou dois centrais de créditos firmados e com experiência no futebol europeu parecem imperativos. Talvez um lateral direito experiente...tipo Luís Filipe. Tem a palavra António Salvador!

Ninguém se entende na Guimarães 2012...

O presidente da Câmara Municipal de Guimarães confirmou ontem os desentendimentos há muito tempo expostos entre a instituição maior da cidade e a Fundação Cidade de Guimarães. Ao retirar a confiança política em Cristina Azevedo, António Magalhães aguarda o seu pedido de demissão, de forma a não comprometer a organização da Capital Europeia da Cultura, a decorrer já no próximo ano.

Prémio Gulbenkian para investigador da UM!

Nuno Peres, professor e investigador do Departamento de Física da Escola de Ciências da Universidade do Minho, foi distinguido com a atribuição do Prémio Gulbenkian Ciência 2011. Este professor é hoje "um dos mais reputados físicos teóricos mundiais que trabalham sobre o Grafeno, a forma bidimensional do carbono com um imenso campo de aplicação futura no domínio da electrónica". Mais uma distinção de relevo para a academia minhota! Parabéns.

Operação inovadora no Hospital de Braga

Trata-se de uma técnica oriunda da Alemanha, mais propriamente de Bielefeld, mas inovadora no contexto do nosso país e, inclusive da Península Ibérica. De Espanha já chegaram contactos para que a unidade bracarense possa receber doentes do outro lado da fronteira. Trata-se de uma nova cirurgia de tratamento da obstrução crónica da Trompa de Eustáquio, uma disfunção que afecta, segundo as estatísticas, cerca de um terço da população portuguesa. Os primeiros três doentes foram ontem operados no Hospital de Braga.

O dia em que a avioneta se despenhou na Avenida...

Foi no dia 15 de Julho de 1944, ou seja há 67 anos, que um facto desastroso fez estremecer todos os habitantes de Braga. Um avião que fazia acrobacias exageradas nos céus do centro da urbe, após embater contra a torre sineira da Igreja dos Congregados, estatelou-se num dos terraços de uma casa vizinha. Isto sucedeu num sábado, pelas 19 horas, fazendo juntar centenas de pessoas no coração de Braga, em plena Avenida Central. O piloto tripulava uma das avionetas do Aero Clube de Braga. A emoção estava estampada no rosto de quem passava no local. De repente, uma avioneta entra desenfreada nos céus de Braga e começa a dar o seu espectáculo sobre o espaço aéreo da principal artéria da cidade. Assim descreve o Diário do Minho o que se passou nessa tarde: “O piloto, destemido, chamou sobre si as atenções gerais, pois manejando o aparelho como um brinquedo de criança, ora descia, ora subia em vertiginosos «loopings» deixando boquiaberta a multidão que, pouco depois se juntava na Avenida, soltando ais de admiração e desespero pelo que estava a passar-se.”. Diga-se que já nesta época era normalíssimo haver avionetas a sobrevoar a cidade, uma vez que já existia uma pequena pista de aviação em Palmeira. O que não era normal eram as perigosas manobras que este piloto efectuava, com alguma mestria, durante essa tarde. Além das inúmeras pessoas que assistiam na rua, várias outras se juntavam nas janelas das casas da Avenida Central. Muitas até temiam que o descontrolado instrumento voador se despenhasse contra a sua habitação uma vez que, por diversas ocasiões, a avioneta sobrevoava a baixa altitude os telhados das casas. Dir-se-ia na altura que o piloto estava louco, todavia tratava-se de alguém com alguma experiência e que, com maior ou menor dificuldade, controlava artisticamente o aparelho no meio das acrobacias por si efectuadas. As pessoas que assistiam, incrédulas, àquela inesperada sessão de habilidade aérea, sentiam que poderia estar perto de acontecer uma tragédia, como de facto acabou por se verificar minutos mais tarde. Na mente do leitor poderá imaginar a cena: um avião descontrolado a fazer perigosas acrobacias com os bracarenses, cada vez em maior número, a assistir em pleno centro da cidade. Que sentiria cada um de nós naquele momento? Provavelmente o mesmo que as pessoas que assistiam, todavia no subconsciente de cada um estava uma certeza: o piloto sabia o que estava a fazer e que o aparelho voador estava controlado! Nada disso. Depois de umas quantas manobras arriscadas o piloto perdeu o controlo do avião, isto depois de ter embatido ligeiramente nos ramos superiores das tílias que povoavam a avenida. Descontrolada e a alta velocidade, a avioneta dirigiu-se rumo à fachada da Igreja dos Congregados que, recorde-se, estava ainda inacabada, tendo apenas uma torre. O povo suspirou de alívio ao constatar que o aparelho não se despenhara contra a igreja, todavia roçou na torre sineira ficando sem parte de uma das asas. Como uma ave ferida, a avioneta agonizava nos ares e, desgovernada, vai de encontro à chaminé do edifício onde estava então sediado o jornal Diário do Minho, e logo depois caiu no quintal de uma casa das redondezas. Seguiu-se o desespero de todos os que, em vão, tentaram socorrer o malogrado aviador. A avioneta explodiu e incendiou-se completamente, e com ela também o valente piloto. Logo depois chegaram os Bombeiros, mas já nada havia a fazer. No exterior as pessoas que tinham assistido à tragédia corriam a invadir o edifício do jornal, sedentas de alguma informação. Mais tarde os restos mortais da vítima foram transportados para o Hospital de S. Marcos e lá se confirmou a identidade do óbito. Fernando Sanches Ferreira de Sousa Magalhães, assim se chamava o aviador, que era o director do Cemitério Municipal, portanto personalidade conhecida na vida urbana bracarense. Tinha 50 anos de idade quando, ao fazer um dos seus passatempos preferidos, dando um espectáculo de coragem e valentia, morreu heroicamente. Não admira, pois, que o seu funeral tivesse direito a larga assistência, contando com a presença respeitosa de imensos bracarenses, anónimos e ilustres. A acompanhar o funeral, que saiu da Igreja de S. Marcos, a Legião Portuguesa, da qual tinha sido distinto comandante para além da esposa e da filha do heróico senhor. Recordemos então, uma vez mais, como relata o Diário do Minho este acontecimento: “A seguir médicos, advogados, industriais, oficiais do exército, funcionários da Câmara e muitas outras pessoas, constituíram o cortejo que, silencioso, atravessou as ruas da cidade em direcção ao cemitério, onde também aguardava o féretro pessoas de todas as categorias sociais...”. Terminava assim, de uma forma pesarosa, a aventura do arrojado aviador que queria encantar a cidade com os rasgos exuberantes do seu aparelho do ar. Este episódio marca, sem dúvida, a história recente de Braga, sendo ainda recordada por muitos nossos contemporâneos. Uma efeméride inédita que escreve mais uma página na, já mui longa, existência da Cidade dos Arcebispos.  

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Somos 181 819!

O concelho de Braga aumentou 10,74% o número de população residente passando de 164.192 habitantes em 2001 para 181.819 em 2011. Porém, este não é o dado mais relevante para Braga, uma vez que estes resultados representam a afirmação definitiva da cidade como a terceira área urbana de Portugal. Nos 15 maiores concelhos só Braga não se localiza nas áreas metropolitanas de Lisboa ou Porto, sendo o 7.º maior concelho em termos demográficos. À frente de Braga surgem apenas Lisboa (545.245), Sintra (377.249), Gaia (302.092), Porto (237.559), Loures (205.577) e Cascais (205.117).

Amor a Braga!

Inaugurar o blog é como abrir uma porta. Poderia dizer uma brecha ou um postigo, para ser mais modesto, porém o meu objectivo é atingir o largo horizonte de intervenção que, a meu ver, tem faltado na tão fiel como antiga cidade de Braga.
Deparamo-nos hoje com sérios desafios ao desenvolvimento econónico, cultural e social da nossa cidade e da região da qual é cabeça e justamente capital. A possibilidade entreaberta da extinção dos governos-civis e consequente quebra da organização distrital, o retomar da discussão da regionalização - que poderá 'encostar' Braga à dominação macro-cefálica da área metropolitana do Porto e o surgimento de um partido que visa defender os denominados interesses do Norte, quebrando o vínculo cultural da região Minho, são o motor inevitável deste blog.
Há quem diga que os blogs estão fora de moda e talvez por isso mesmo vejamos definhar as iniciativas salutares de tantos bracarenses... Contudo, o objectivo é ser uma porta nova, aberta ao diálogo e atenta aos assuntos que interessam aos bracarenses.
É preciso mais cidadania! É necessária maior intervenção! Por uma Braga Maior!