terça-feira, 22 de novembro de 2011

Os 3 pecados mortais do Estádio Axa

O Estádio Municipal de Braga, baptizado comercialmente de Axa, é já uma referência inegável na  engenharia e arquitectura portuguesa e internacional. A atribuição do Prémio Pritzker ao arquitecto Souto Moura, juntando aos prémios Secil que galardoaram o estádio, confirmam a importância desta magnífica obra para a cidade de Braga.
Todavia, o facto de estarmos perante uma mais-valia, não deve servir para mascarar as deficiências evidentes, que se manifestam no serviço à população que usufruiu do estádio. Assim, aponto 3 pecados mortais, que jamais foram comentados pelas entidades competentes:

1. Insuficiência de lugares de estacionamento: não chegarão às duas centenas os lugares disponíveis para o público geral. Como a elite tem lugares reservados no interior do estádio, nunca se aperceberam das distâncias que os sócios do Braga têm que percorrer para chegar ao estádio (que se situa fora da malha urbana e, portanto, exige automóvel).
2. Distância elevada até à entrada do estádio: existe uma longa e inclinada avenida de acesso ao estádio, para quem vier de nascente e uma íngreme e longa descida para quem vier de poente. Uma pessoa que tenha mais de 50 anos chegará ao seu lugar no estádio, completamente sufocado pelo esforço físico. O meu avô nunca mais foi ver jogos do Braga, desde a construção do estádio...
3. Subir o Evereste para chegar às bancadas: a quantidade de patamares com escadas a subir, para quem tem o lugar nas bancadas superiores é inaceitável. Os elevadores são insuficientes e servem apenas quem tem camarote. Como é possível? 

Pedimos ao presidente da Câmara e aos dirigentes do clube que um dia experimentem ir ver um jogo na qualidade de associado 'normal' do clube. Deixem o carro onde tiverem hipótese - na via rápida de Vila Verde...- vão a pé até à entrada e percorram a avenida de acesso ao estádio. No final subam todas as escadas até às bancadas superiores. No final reflictam sobre esta fantástica obra de arte, que tem obrigação de ser mais funcional e de servir melhor aqueles que o irão utilizar.

Muitos bracarenses deixaram de ir ao futebol...

3 comentários:

  1. Concordo com tudo o que foi dito, mas este Estádio pelo custo de construção e de manutenção tem que ser muito mais do que apenas um estádio do SC Braga. Têm que ser realizados neste estádio eventos que o mostrem em Portugal e a nível internacional, porque só assim continuará a despertar o interesse.

    ResponderEliminar
  2. Este estádio é candidato a ser a monumento nacional. É indiscutível a sua valia arquitectónica e artística. É um monumento que pode ser efectivamente mais rentabilizado, a começar pelo espaço interior.
    Porque não um museu de arte contemporânea, que era um sonho da Galeria Mário Sequeira?

    ResponderEliminar
  3. Acho bastante engraçado toda a gente referir "a valia arquitectónica" do Estádio quando esto é, sem sombra de dúvida, uma das maiores obras de Engenharia no nosso país. Mais do que de Arquitectura, atrevo-me a dizer!
    São campos distintos, ainda que indissociáveis.

    ResponderEliminar