quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Quanto vale a cadeira de Mesquita?

Que Mesquita Machado fica para a história da cidade de Braga já ninguém certamente terá dúvidas. 37 anos no poder, num regime democrático e desafiando um eleitorado dinâmico - dado o acréscimo demográfico significativo em cada sufrágio - representa seguramente mérito, trabalho e dedicação. Mesmo os mais ferozes críticos da sua gestãos, estarão aptos a reconhecer-lhe as virtudes. António de Oliveira Salazar esteve 36 anos como Presidente do Conselho (1932-1968), sem nunca ter sido desafiado num sufrágio universal!
Mesquita Machado abriu as portas para um ciclo de desenvolvimento notável, com diversos pecados é certo, mas com uma marca indelével na história da própria cidade. Provavelmente teria sido melhor retirar-se um pouco mais cedo... Quem sabe?
A verdade é que quando um partido se instala muito tempo no poder se corre o risco de cair em certos ciclos viciosos que se podem tornar perigosos numa gestão autárquica. É difícil sair do poder, mas mais importante que o poder é o serviço à população e deve ser essa a medida dos sucessos e dos fracassos.
Aconteça o que acontecer, as autárquicas 2013 serão um grande desafio para Braga. Fica mal ao Partido Socialista local cair numa luta sem quartel pela sucessão de Mesquita Machado. Mais importante do que o rosto do partido é o projecto que irá ser sufragado pelos eleitores. 
O que nós, bracarenses, queremos saber é o que pensa o Partido Socialista sobre o futuro da cidade? Que responsabilidades assume sobre a situação presente? Que projecto de desenvolvimento têm? Quais são as prioridades? Que grau de independência existe face a certos interesses privados?
Sabemos que o valor da cadeira de Mesquita Machado é incomensurável, todavia o peso da responsabilidade de governar a terceira cidade do país deverá ser significativamente maior...

Sem comentários:

Enviar um comentário