terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Repensar as Festas de São João

Na passada quinta-feira as festas de São João acabaram por ser o foco do debate da apresentação do livro "Liberdade Street Fashion", que decorreu na FNAC do Braga Parque. O duelo entre Vítor Sousa e Abílio Vilaça poderia lançar uma abrangente e alargada discussão sobre um dos maiores patrimónios da cidade de Braga.
De facto, as festas de São João têm tudo para ser o maior cartaz turístico e cultural da cidade, mas efectivamente estão longe de o ser e ninguém parece querer pensar neste assunto a sério.
É durante as festas que se revela a identidade genuína da cidade, quer através das iniciativas das associações culturais e recreativas do município, que atingem por esta quadra o seu maior horizonte de activismo, quer pelas tradições e legado que conserva, quer pela elevação dos principais símbolos da cidade: como a bandeira e o hino.
O primeiro passo de uma estratégia não pode passar pelo mero desejo de captar turistas, mas principalmente por valorizar as heranças culturais do passado, naquele que é o maior momento anual para os bracarenses, devido à festa que é imprimida no tecido urbano.

Desde logo há medidas que devem ser tidas em conta:

  • Criação de um site com informação actualizada, programa, sugestões, reservas em hóteis e história
  • Investir num programa de marketing profissional, com cartazes atractivos e devida promoção através de todos os canais que as Entidades de Turismo disponibilizam
  • Regresso dos foguetes, balões, festa de encerramento sem bilhetes, cortejo do Traje...
  • Esboçar um programa detalhado para a animação nocturna da noite de São João: mini-palcos espalhados pelo recinto da avenida da Liberdade e avenida Central, com diversos tipos de música - desde a popular aos dj's - de forma a criar bailaricos espontâneos e animação
  • Recuperar a Corrida do Porco Preto
Obviamente que para que isto seja realidade é necessário quer a iniciativa da Associação de Festas, quer o empenho do município, quer o apoio incondicional dos agentes sociais e económicos. Quem tem vontade política para avançar com um verdadeiro plano de recuperação das festas de São João?

1 comentário:

  1. Não entendo como nas Danças do rei David não está pelo menos uma braguesa. A viola de Braga merecia um palco destes.
    Recordo-me de ter visto um postal do inicio do seculo 20 em que estavam pelo menos 2 braguesas.

    ResponderEliminar