sábado, 9 de junho de 2012

Visita guiada ao Convento dos Remédios


O Convento dos Remédios, monumento demolido no ano de 1911 pela Câmara Municipal de Braga, vai ser revisitado a partir de uma visita guiada ao espólio disperso por alguns locais da cidade.
Trata-se de uma iniciativa inédita, que vai decorrer no próximo sábado, dia 16 de junho, sendo organizada pela JovemCoop e Braga CEJ.
O objectivo desta sessão é conhecer a história do mais antigo edifício conventual de Braga, bem como da sua polémica demolição em 1911. Para além disso, esta visita guiada vai permitir reconhecer uma parte do espólio deste convento, que se encontra disperso por alguns locais da cidade de Braga, alertando a população para a importância de valorizar o espólio e a memória deste convento.
O ponto de encontro para esta visita guiada acontece pelas 09h30 junto à Arcada, iniciando-se o percurso com uma passagem pelo largo Carlos Amarante, onde vai ser feita a contextualização histórica deste monumento.
Os participantes seguem depois para a reitoria da Universidade do Minho, jardim de Santa Bárbara, igreja e convento do Pópulo e, ainda, salão nobre da Câmara Municipal. O momento alto da visita vai ser a passagem pelo Parque da Ponte, onde repousa a maior parte dos elementos da fachada do tempo conventual.
Esta iniciativa termina na Falperra, com uma passagem pela capela de Santa Marta do Leão, onde se encontra o retábulo mor, tribuna e sanefas que pertenceram à igreja dos Remédios. Os primeiros 50 inscritos têm direito a transporte gratuito até aos locais, e os restantes interessados poderão fazer-se transportar em veículo próprio.
As inscrições para esta atividade já estão disponíveis, podendo ser feitas no site da Braga CEJ.

Inscrições AQUI

5 comentários:

  1. Para esclarecer dúvidas, as imagens na fachada eram:
    - Em baixo, Santa Isabel de Portugal e Santa Isabel da Hungria, certamente porque o convento era propriedade da Misericória;
    - Ao centro, Nossa Senhora da Piedade (e dos Remédios), orago do convento. Na escolha do orago terá pesado a devoção de D. Diogo de Sousa?...
    - A ladear, São João Baptista e Santa Maria Madalena, figuras sempre presentes em qualquer cenóbio.
    - Em cima, S. Francisco, fundador da Ordem.

    ResponderEliminar
  2. Observações correctas, à excepção da Santa Maria Madalena. É efectivamente um São João Evangelista, santo muito venerado nas festas religiosas registadas no convento. Tem o livro e a águia aos pés, elementos típicos da iconografia deste santo. Estava colocado ao lado de São João Baptista, estando ao centro a Pietá.

    ResponderEliminar
  3. Tenho de me corrigir.
    A ladear a Senhora da Piedade, seria suposto estar São João Evangelista e Santa Maria Madalena. Essas é que são as figuras tradicionais.
    Se, de facto, estavam São João Baptista e São João Evangelista, calculo que fosse para equilibrar com as 2 figuras femininas em baixo, aproveitando o jogo de homonomia que tantas vezes deu confusão no culto aos dois santos.

    ResponderEliminar
  4. Isto vai de erro em erro até à verdade final...

    As duas Isabéis santas aparecem porque ambas foram terciárias de S. Francisco.

    Talvez por haver duas Isabéis, também haja dois Joões...

    Fica por saber se na escolha do orago terá pesado o facto (a confirmar) de o convento pertencer à província da Senhora da Piedade.

    ResponderEliminar
  5. Mais uma achega: afinal, a apresentação dos dois Joões é mais comum do que eu pensava. Em pórticos. E a ladear imagens da Virgem.

    Acresce à homonimia o facto(?) de se pensar que o Evangelista faleceu no mesmo dia que o Baptista nasceu.

    Podem ambos ser vistos também na fachada da Igreja da Conceição (Pelames). O que pode ter que ver, também, com o ter estado envolvido, tal como nos Remédios, Manuel Fernandes da Silva.

    ResponderEliminar