domingo, 1 de julho de 2012

Ideias para Braga: Museu da Cidade de Braga


Não é algo de inédito, dado que Braga já teve uma espécie de museu da cidade nos primórdios do Museu D. Diogo de Sousa. Esta ideia nasce do imperativo de divulgar a riqueza de uma história com dois mil anos, por onde passaram diversos povos e culturas que deixaram bem vincadas as suas marcas. Os bracarenses só poderão perceber a sua identidade se acederem à sua história. 
Para além de um percurso cronológico ao longo da história da cidade, desde os primeiros vestigios de ocupação humana na região, passando pela civilização romana, até à cidade dos Arcebispos remodelada por D. Diogo e transformada a partir do traço de André Soares. Poderia ser também aproveitado para recordar os monumentos desaparecidos da cidade, mostrando fotos ou gravuras e expondo alguns vestígios dos mesmos, de forma a conservar a memória da Braga desaparecida. De aproveitar também os escritos de grandes homens da literatura nacional, que tiveram em Braga uma musa de inspiração; recordo-me de Camilo... Também seria oportuno olhar em pormenor a Semana Santa e o São João, recordando as personagens (farricocos, Rei David...) e as tradições presentes e passadas. 
Que melhor forma para revelar a alma de uma cidade?
Este museu poderia ser instalado no grande edifício da rua do Castelo, projecto do portuense Marques da Silva, que actualmente se encontra sem utilidade. Poderia ser feita uma ligação à Torre de Menagem, dando acesso a um dos monumentos mais importantes da cidade. Poderia ter outras valências, como um auditório de realtivas dimensões, salas para exposições e tertúlias e, ainda, uma biblioteca com toda a Bracarografia publicada. Funcionaria como pólo cultural prioritário de tudo o que implicasse o interesse histórico-documental da nossa cidade. Conferências recorrentes sobre a nossa história e património, exposições com a mesma temática, edição de livros e visitas temáticas ao nosso património. Para além disso, poderia dispor de um Centro de Investigação da História local, em colaboração com a Universidade do Minho e tendo a seu cargo a moribunda revista Bracara Augusta.
Este projecto seria viável com apenas um terço do que foi gasto nas polémicas piscinas olímpicas...

Repetimos aqui esta mensagem, para lhe dar novo alento, e renovar a ideia que, para minha surpresa, já tinha sido comentada no Fórum Bracarae Auguste. A atestar que há muitos bracarenses em sintonia!

3 comentários:

  1. E porque não lutar por um "Museu da Cidade" virtual, na internet? Há tanto material para compilar, tanto debate para fazer, tanta gente para colaborar de forma gratuita e apaixonada...

    Ao fim e ao cabo, isso já se está a fazer; mas nem sempre aproveitando sinergias, cruzamento de dados, divulgação dos sites e blogs...

    ResponderEliminar
  2. Acho que é viável um museu real e um museu virtual. Um Centro de Investigação como a Casa de Sarmento em Guimarães faz precisamente esse trabalho de disponibilizar fontes na internet.
    Todas as ideias podem ser um excelente contributo!

    ResponderEliminar
  3. Sim perfeitamente possível e desejável, a conjugação de ambos.

    Em relação ao Museu Virtual procurei iniciar isso mesmo através do tópico "Museu da Memória de Braga", o qual foi colocado aqui na mensagem do BragaMaior.
    http://forum.bracarae.com/viewtopic.php?p=47255

    E mais recentemente numa apresentação mais simples no BragaOn, com o título "Memória de Braga".
    http://bragaon.blogspot.pt/search/label/Mem%C3%B3ria%20de%20Braga

    Que tinha como finalidade em cada assunto remeter para o "Museu da Memória de Braga" caso pretendessem mais informação.

    Alguns grupos do facebook, como o BragaDesaparecida e o Memórias de Braga, também reúnem várias imagens, por entre troca e divulgação de dados.

    ResponderEliminar