sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Ângulo Maior: fotos inéditas do Convento dos Remédios

O interior da igreja dos Remédios
O pátio interior dos Remédios, observando-se à direita o mirante da rua de S. Marcos
Claustro principal com a fonte de Santa Bárbara ao centro
(As fotos pertencem às irmãs Franciscanas Missionárias de Maria, as últimas a habitar no convento: 1896-1908)

3 comentários:

  1. Fantásticas imagens. Parabéns pelo post!

    Na primeira foto, comprova-se (se falta fizesse) a entrada pela lateral, e a orientação da igreja para sul.

    Percebe-se também a importância do altar (do retábulo) em frente da porta. Para dar conta do efeito, tem-se de imaginar a entrada sem o anteparo.

    Outro pormenor: não havia bancos (tirando os de correr, meio arrumados, na capela-mor). Aliás, as igrejas do passado foram desenhadas no pressuposto de não haver bancos, de serem espaços livres de circulação e orientação. E só assim se consegue uma leitura plena desses espaços, nos seus diversos elementos e funcionalidades. Desde o poder seguir os quadros nas paredes ou nos tectos, ao acompanhar a missa nalgum dos altares ou capelas laterais, ao focar-se nos púlpitos para as leituras da Bíblia ou a pregação, ao fazer a via-sacra ou alguma procissão dentro da igreja... As pessoas hoje em dia, de tão habituadas que estão à presença dos bancos, nem dão conta do imenso estorvo que representam.

    ResponderEliminar
  2. A tal história dos bancos foi o que orientou Siza Vieira na concepção dos assentos do povo na sua famosa igreja de Marco de Canaveses. O resultado é que foi infeliz: um "nem é carne nem é peixe"...

    ResponderEliminar