domingo, 23 de setembro de 2012

A fonte do Campo das Hortas

@ Memórias de Braga

A fonte do Campo das Hortas foi mandada erguer pelo Arcebispo D. Frei Agostinho de Jesus na última década do século XVI. Trata-se de um notável exemplar de arquitetura pública maneirista. O fontanário, que se implantava inicialmente no Campo Santana, tendo sido transferido para a sua presente localização no século XIX, integrava-se numa tipologia cujo maior expoente é a fonte de Viana do Castelo, erguida em 1554 por João Lopes, o Velho. 
«É formado por uma coluna galbada, arrancando de um tanque circular, com duas taças ornadas com brutescos, de onde se projetam bicas em forma de carranca. Na seção superior da coluna, escalonada, dispõem-se sucessivamente seis atlantes com bicas, um brasão arcebispal e uma área ornada com volutas e boleados, coroadas por um coruchéu rematado por uma esfera armilar e uma cruz cardinalícia, ambas em ferro».

É considerada por muitos como a fonte mais bela de Braga. Vale a pena ir lá observá-la em pormenor. 

2 comentários:

  1. Será mesmo a esta fonte que se refere Senna Freitas?...

    “...e fez [D. Agostinho de Jesus] o magestoso chafariz do Campo de Sant΄Anna. Nos principios do mez de Junho de 1865, foi por ordem da Camara demolido este chafariz. Era tal a solidez com que elle estava construido, que foi mister aos pedreiros destruir algumas pedras, para podêrem separar as taças, assim como a columna, que era guarnecida de diversos relevos: pois pelo centro estava tudo ligado com espigões de ferro.
    O tanque — e a meia laranja de pedra, que exteriormente circumdavam este chafariz — egualmente foram demolidos: e as peças principaes foram removidas para a cêrca do supprimido Convento do Carmo.
    No remate d΄este chafariz, estava uma peça de pedra lavrada, tendo n΄uma das faces o escudo das Armas Reaes; no lado opposto, o Brazão do Arcebispo, que o fizera edificar, D. Agostinho de Jesus; em outra face, (como a custo ainda se vê), os caracteres seguintes: MARIA; e na face opposta, (em que os caracteres estão muito obliterados pelo tempo), ainda com grande difficuldade podem ser distinguidas as lettras seguintes: JESUS.
    Os castellos inferiores das armas reaes estão lascados: — e é tradição, que elles começaram a ser picados por ordem de Junot, general francez, invasor de Portugal em 1807.
    Para que este chafariz — o mais bello da cidade — não fosse desprezado; houve o alvitre, na occasião, de o collocar no fim do Campo de Sant΄Anna, ou no centro do Campo dos Remedios: — e chegou a dizer­-se por então que a Camara, por falta de meios, não realisava nenhum d΄estes bons pensamentos.
    Mas se o senado, por escacez de recursos, o não fazia assim; preferivel seria, que o chafariz se conservasse como estava, e não fossem dispendidos cento e oitenta mil reis n΄uma destruição, sem proveito algum: o que foi stygmatisado então por todas as pessoos imparciaes.
    Mas.. era um monumento antigo... era cousa d΄outra epocha... e queria­-se embellezar e desaffrontar o largo... para melhor ser visto o jardim publico...”

    ResponderEliminar
  2. Muito obrigado pelo seu contributo! É esta mesmo. Há várias fotos do século XIX, em que ainda se observa esta fonte defronte da arcada. O seu autor poderá ser o mestre Manuel Luis.

    ResponderEliminar