domingo, 16 de setembro de 2012

Quem vai ser o candidato do PS em Braga?

Sucessão do histórico Mesquita Machado ainda não foi resolvida
Nos últimos dias regressou à actualidade da política brácara a questão do candidato PS à Câmara Municipal de Braga. Hugo Pires, Vítor Sousa, Nuno Alpoim ou António Braga? Quem vai suceder a Mesquita Machado como candidato?
António Braga fez questão de tornar pública a sua intenção de promover a escolha do candidato a partir de uma sondagem interna, garantindo o surpreendente apoio de Nuno Alpoim.
Vítor Sousa mantém-se agarrado à sua ambição pessoal e não se importa da investigação relativa ao caso dos TUB, o tal assunto silenciado por um dos jornais diários bracarenses. Ao líder da concelhia bracarense ficaria bem recordar exemplos como António Vitorino, ilustre político socialista e um dos melhores do seu espectro político, que renunciou ao cargo de ministro apenas por suspeitas de não ter pago os impostos devidos de um imóvel. Com culpa ou sem culpa, ficava-lhe bem retirar-se. A prova de que a ambição deve estar limitada a temáticas como a confiança dos cidadãos ou a ética...
Nuno Alpoim parece não ter encontrado muito acolhimento na lista pela qual deu o seu nome. Muitos dizem que é seguramente o mais inteligente dos candidatos a candidatos, salientando o excelente trabalho desenvolvido como responsável do urbanismo.
Quanto a Hugo Pires tem tudo a seu favor. Conquistou os militantes mais jovens do partido e pode tirar partido dos sucessos da CEJ, embora também surjam pontos fracos neste aspecto, como a questão dos ajustes directos no limite legal... Se constituir uma equipa que alie pessoas capazes e alguns rostos válidos da sociedade civil, pode ambicionar a vitória. Para isso teria que se libertar de alguns "pesos" que actualmente o rodeiam e não ficar deprimido se perder as eleições. Ser oposição também é uma missão num partido que pode ficar em cacos... Se optar pela linha populista pode tirar vantagens, nomeadamente no eleitorado rural, mas perderá toda a credibilidade junto do eleitorado urbano, já tão distante de Mesquita Machado. O recente caso do apedrejamento dos seus carros bem pode ter sido acto "interno" a ver se o jovem vereador desiste do seu intento...

Pessoalmente, penso que o duelo mais interessante e produtivo para Braga será Ricardo Rio versus Hugo Pires. Assim o espero!

1 comentário:

  1. Boa análise, sim senhor. Só acho é que ninguém se deve demitir, suspender funções ou lutar pelos seus objectivos só porque foi indiciado de algum crime. Até prova do contrário, penso que tem toda a legitimidade para o que quer que seja, senão seria muito fácil afastar uma qualquer pessoa de um determinado cargo por uma conveniência qualquer. Bastaria, para isso, inventar-se uma polémica.

    ResponderEliminar