terça-feira, 11 de setembro de 2012

Seleção venceu na cidade onde nasceu Portugal

@ www.zerozero.pt
A cidade de Braga, local em que D. Afonso Henriques buscou e confirmou o apoio do Arcebispo D. Paio Mendes - no distante ano de 1128 - para as guerras contra sua mãe D.ª Teresa, ferveu do seu espírito autenticamente português e lotou ontem o estádio para acolher a Seleção Nacional de futebol. Portugal respondeu com gratidão e venceu por 3-0 a sua congénere do Azerbaijão, com uma exibição convincente e de nível superior. Os golos tardaram mas apareceram na segunda parte, por intermédio de Varela, Postiga e Bruno Alves.
Esta foi a primeira vitória de Portugal no estádio desenhado por Souto Moura. Os dois jogos anteriores redundaram numa derrota - frente a Itália - e um empate frente à Albânia.
A cidade que viu Portugal nascer, cuja certidão documental está contida num dos pergaminhos do Arquivo Distrital de Braga, voltou a rejubilar de portugalidade. E Portugal surpreendentemente voltou a pôr os olhos dela, esquecido que anda das suas origens minhotas, no meio do inebriante calor da colina lisboeta.
Biba Portugal!

13 comentários:

  1. Ganhou em Braga, apenas isso. Portugal nasceu noutro lado ;) as uns 20km de distância!

    ResponderEliminar
  2. Onde nasceu Portugal ? ??????? Isso deve ser um curso à Relvas :)

    ResponderEliminar
  3. Continuar a viver de mitos ou abrir-se à realidade é decisão de cada um... Eu prefiro os factos! Basta clicar onde diz "certidão documental".

    ResponderEliminar
  4. "Braga a cidade onde nasceu Portugal" ?
    O autor desta frase deve ser o mesmo que inventou "os guerreiros" e de outras mais ou menos deste genero.
    Isto só mostra a mentalidade pequena de muita gente nesta cidade que ainda vive das rivalidades, das invejas e das pequenas "guerras" entre Braga e Guimarães ou entre Norte e Sul.
    Braga tal como outras cidades teve um papel importante na fundação do País mas esse titulo e muito bem, já pertence a outros.
    Braga não pode querer ser aquilo que nunca foi nem pode querer aquilo que é dos outros.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O autor desta frase apoia-se em factos atestados documentalmente e não em mitos que apenas a ignorância e teimosia permitem. Braga pode querer aquilo que a sua longa e vasta história lhe permite.

      Eliminar
  5. Não ponho em causa os factos nem os documentos.
    O que pergunto é se cidades onde oconteram factos que levaram à assinatura desse documento,não podem reclamar o mesmo?
    Apesar do documento ser anterior, os acontecimentos de Guimarães foram de tal forma importantes que tudo o resto ficou apenas como História.
    Como BRACARENSE acho que isso em nada envergonha a cidade, e não adianta tentar mudar isso porque é assim e muito bem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É a sua opinião e está justificado em acreditar nela. Eu penso de outra maneira, não diminuindo em nada o facto de Guimarães ter sido o palco da Batalha de S. Mamede. Não posso é aceitar que constantemente se coloquem em "bicos de pés", reduzindo o papel que outros lugares tiveram nesse processo. Como bracarense, prefiro apelar ao conhecimento da nossa história local, tão desconhecida que é da maior parte dos bracarenses. E efectivamente nós temos um documento assinado!

      Eliminar
  6. Bem e em termos arqueológicos não esta confirmado onde ocorreu a Batalha de S. Mamede. A tradição do séc XX está habituada a ver as Batalhas medievas como ocorrendo num unico palco num unico dia, ora como Roma e Pavia não se fizeram num dia, a verdade é q esta guerras eram efectuadas com avanços e recuos em vários palos um bocado à semelhança do que hoje acontece. Conheço muitos medievalistas q colocam em causa esta historiografia de cariz histórico-culturalista. Na verdade não existem provas ciêntificas e onde ocorreu a famosa Batalha que o Estado Novo. Salazar e o seu regime procuraram, à semelhança da Alemanha Nazi ou do facismo Italiano, reescrever uma história de um passado glorioso que, o novo presidente viria restaurar (dai a imagem de Afonso Henriques com a Cara de Salazar). Nesta altura em 1933 Salazar adopta o slogan Aqui nasceu Portugal iniciando a recuperação do castelo e do palacio dos duqes (que fica como residencia oficial do presidente). Ora se estas reconstruçºoes são polémicas e que nada estão de acordo com a planta original (entao quem conhece a Planta original do Palacio dos Duques e ve o que hoje ele é fica abismado) que fará da estória que então foi construida em torno da batalha.

    Poderão dizer ... há mas existem cronicas.... as cronicas nesta altura não são muito fiaveis... basta dizer que as cronicas oficias tb diziam q a terra era plana. Quem faz as cronicas neste periodo são os reis e quem detém o poder... e quem detém o poder escreve o à sua maneira...

    O que a arqueologia já provou é q de facto Braga foi importante sede de Conventus Juridicus na Antiguidade tardia, tendo depois assumido sede do reino suevo... qt a guimarães... não foi capital de coisa nenhuma...

    ResponderEliminar
  7. Obrigado Miguel pelo teu contributo para o debate. Ao contrário do que alguns possam pensar, não pretendo minimizar Guimarães (sinto orgulho em fazer parte da mesma região que esta cidade!), mas para salvaguardar o papel de Braga que tem sido tão injustiçado nos livros de história.
    Portugal não nasceu em Guimarães, em Braga ou no Porto! Portugal nasceu claramente no Entre-Douro-e-Minho e é aí que reside a sua raiz! Depois, sim, seguiu-se Coimbra, Lisboa ou Santarém...após o Rei se ter desvinculado dos fidalgos que lhe deram o poder.

    ResponderEliminar
  8. Sou Bracarense e gosto da minha cidade. Não acompanho é certos panegiristas e bacocos de orgulho de adro de igreja. Braga não precisa disto. Antes pelo contrário, Braga precisa de se relacionar com os seus vizinhos como um concelho que quer crescer em conjunto com eles. Só nos faltava agora agitar rivalidades com Guimarães sobre a génese da nacionalidade. Um tema que certamente apaixonará os panegiristas de ambos os lados, mas que nada de relevante pode dar a Braga. Não é que concorde que Portugal nasceu no confronto de S. Mamede, mas é defensável que foi lá que uma ideia de nação se afirmou. Na S. Mamede os defensores de Afonso Henriques ganharam aos defensores de D. Teresa que teria as mesmas aspirações e ambições. E, por isso, talvez se possa dizer que foi lá que nasceu a ideia de Portugal, ou, pelo menos, uma liderança política. Como nação Portugal terá nascido mais tarde, mas não é disso que se trata. Os mais cáusticos destas coisas dizem que a D. Teresa, Afonso e Henriques e quase todos os reis da Ibéria sonharam foi em reinar nas Espanhas, pelo que apenas procuravam afirmar a sua liderança. A sua ideia de nação seria outra e nunca se terá concretizado. Até nos panegiristas catalãos que ontem se manifestaram se encontra quem entenda que o problema teria sido resolvido se Filipe, que também nos governou, tivesse feito de Barcelona a sua capital. Ou sejam, todos querem ser os maiores do seu bairro. A minha prece é que Deus nos livre destes ideólogos panegiristas. É que um blogue que se revolta contra o centralismo do Porto em nome do Minho e que insulta Guimarães por clubite é uma coisa que não compreendo. Lá porque futebol se jogue com os pés não justifica que se pense com eles?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agradeço as adendas históricas dispenso os elogios "panegiristas". Pelos vistos, apesar de não acompanhar esses "bacocos" é um leitor atento deste blog, pelo que refere no seu comentário. Aqui não se insulta Guimarães, bem pelo contrário. Se visualizar o arquivo deste blog poderá constatar os excelentes exemplos aqui destacados. Não vou formatar a minha forma de pensar apenas para agradar a certas almas cheias de si, que nem sequer têm coragem para dar um rosto e um nome ao que dizem. Eu jamais direi o que quer que seja sem assinar por baixo. Não costumo publicar comentários que têm como único objectivo insultar, diminuir ou rebaixar o debate, muito menos quando não vêm assinados. Não entendo as pessoas que não gostam de um blog e passam a vida a ler o que se escreve e não resistem em recorrer a falácia "ad hominem". Se não gosta deste blog, tem bom remédio: deixe de ler!
      Saudações bracarenses

      Eliminar
    2. Anonimo... o seu discurso é um exemplo claro do pensamento historico culturalismo que, ainda hoje rege a maior parte dos nossos estudos historicos.

      Vc afirma que na foi na Batalha de S. Mamede que a ideia de nação se afirmou... ora se bem percebi vc defende que depois de uma difcil e ardua batalha Afonso Henriques e seus homens, depois de um belo repasto e de uns copos de vinho... enibriados pelo mesmo e pelo cansaço levantam-se e dizem..." fixe fixe era fundarmos um pais...".

      Não acha mais plausivel que a ideia de nação fosse uma ideia congeminada, apurada e trabalhada ao longo de vários anos? Acha que uma só batalha é decisiva para que as populações de uma area geográfica ainda extensa aceitassem assim de um dia para o outro um novo reino?

      E já agora... aprendeu a palavra "panegirista" hoje?

      Eliminar
  9. http://bragasemanario.wix.com/bragasemanario#!__jlopes01

    ResponderEliminar