quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Uma proposta para a mobilidade no Minho



A mobilidade é uma das mais urgentes problemáticas que afecta a cidade de Braga e a sua comunicação com o seu entorno geográfico e área de influência económica. É um facto indesmentível que há uma interligação notória entre os centros urbanos do Baixo Minho, nomeadamente Braga, Guimarães, Famalicão e Barcelos, algo que exige que se repense as redes de comunicação. Infelizmente vivemos num país que não se importa em investir milhões para aumentar a capacidade demográfica e económica de duas áreas metropolitanas, mas que é demasiado lento em beneficiar outras áreas geográficas decisivas para o desenvolvimento económico do país.
Braga e a sua região afirmam-se, cada vez mais, como a terceira área urbana portuguesa. É um facto que a rede de auto-estradas do Minho auxiliou bastante a mobilidade interna, mas os preços praticados pelas concessionárias não deixam de se constituir como um entrave...
Por isso mesmo, o projecto Quadrilátero Urbano está a reflectir sobre novas propostas de mobilidade e quer escutar os cidadãos (geral@quadrilatero.eu).

Na impossibilidade imediata de criar uma rede ferroviária - metro de superfície - entre estas cidades, sugiro a criação de uma rede de autocarros rápidos entre Braga, Guimarães, Barcelos e Famalicão:

  • As linhas deverão ser acessíveis em termos económicos (3 euros/dia ou 1,5 euros/viagem ou 35 euros/mês) e devem apenas parar nas respectivas areas urbanas, fazendo o transporte rápido através de auto-estrada.
  • Adoptar o lema “15 minutos”, como incentivo à utilização deste transporte rápido, dado que é o tempo necessário para ligar Braga-Guimarães/ Braga – Famalicão/ Guimarães-Famalicão/ Braga-Barcelos ou Barcelos-Famalicão;
  •  Fazer um estudo das necessidades de mercado ao nível de horários e volume de passageiros em cada cidade, percebendo qual a frequência horária a utilizar e número de linhas a criar.
  • Criar uma imagem e design atractivo que crie motivação nos potenciais utilizadores deste serviço, que seja utilizado na decoração dos autocarros e das “estações” a criar.
  • Braga deveria ter 4 estações, espalhadas em locais estratégicos. Guimarães, Famalicão e Barcelos poderiam ter 2 “estações” cada.
  • Essas estações não deveriam ser partilhadas com outras companhias de transporte e deveriam marcar a imagem da empresa (com a exibição do logotipo, horários e informação basica). Não apenas serviriam para a entrada e saída de passageiros nas quarto cidades (espécie de paragens de autocarro), mas também para a compra e validação de títulos e zona de espera do transporte.
  • Caso o projecto das mesmas fosse arrojado, poderiam atrair ainda mais a atenção dos potenciais utilizadores. A imagem é decisiva para uma pré-confiança da parte do consumidor.
PS - Apesar da rede ferroviária estar construída para beneficiar Lisboa e Porto, cabe salientar a proposta da JP para o regresso do comboio Intercidades a Braga. Esperemos que a Assembleia Municipal de Braga tenha o bom senso de dar seguimento a esta reivindicação...

3 comentários:

  1. linha BRAGA - ESPOSENDE (com passagem em Barcelos) era um projecto de grande valor!

    ResponderEliminar
  2. E autocarros em Brafa para os bracarenses?

    ResponderEliminar
  3. Eu quero um autocarro só para mim!... E ao Domingo, um comboio!

    ResponderEliminar