quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Benditos suevos...

Recentemente, um certo senhor da arqueologia brácara renovou a sua posição quanto às reclamações de muitos cidadãos bracarenses quanto à destruição de vestígios arqueológicos encontrados no decorrer dos projectos "A Regenerar Braga". O argumento utilizado é o facto desses elementos se referirem ao início do século XX e não se justificar a sua conservação.
Ora, se os suevos - contemporâneos dos romanos - tivessem pensado assim, talvez hoje não restasse nada de romano para nós descobrirmos. Não teríamos vestígios das termas, do teatro, da domus da Escola da Sé, nem as Frigideiras do cantinho teriam tido a oportunidade de fabricar o seu bolo romano, adequando-o ao contexto do seu subsolo.
Os suevos foram o povo que sucedeu aos romanos na cidade de Braga. Provavelmente não teriam grande sensibilidade para a arqueologia, como os cidadãos de hoje felizmente (infelizmente para alguns...) têm. Mas também não promoveram destruições inúteis de estruturas que, se calhar, já nem utilizavam... Benditos suevos!

Será que esses vestígios "recentes" não poderão constituir-se essenciais para as futuras gerações de bracarenses? Não teremos nós a missão de salvaguardar a arqueologia do futuro? Não terão os cidadãos o dever de dar a sua opinião, mesmo que isso pareça incomodar algumas pessoas?

1 comentário:

  1. Excelente exercício de reflexão sobre o passado, o presente e o futuro.
    Se todos os povos, nas diferentes cronologias têm arrasado tudo até à destruição total, hoje desconheceríamos as nossas raízes culturais.
    O facto de haver quem, com responsabilidades, pretenda minorizar ou desvalorizar achados arqueológicos, não os potenciando, nem perspectivando uma melhor interpretação da sua contextualização, nem dinamizando a partir da sua fruição turística, é condenar a nossa cidade a um vazio intelectual.
    Os arqueólogos não devem esquecer que a informação não é só para a comunidade cientifica, deve, sobretudo, ser partilhada com os cidadãos, para uma correcta vivência da hsitória da cidade.
    Obrigado Rui, por este pertinente post.

    ResponderEliminar