quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Uma cultura de respeito pelo património

A recente denúncia da JovemCoop acerca das obras na Zona Especial de protecção da Capela de S. Frutuoso, monumento nacional, que terão dispensado a presença de arqueólogos, para além de patrocinar a destruição de elementos patrimoniais, veio atestar a falta de sensibilidade para estas questões da parte do executivo autárquico.
As últimas décadas estão cheias de casos, num cadastro pouco recomendável para uma cidade que se quer afirmar em termos culturais. Somos a terceira cidade do país é certo, mas sem a afirmação cultural não vamos a lado nenhum. Por isso mesmo urge fundar uma nova cultura de respeito e valorização do património, sob pena de nos deixarmos ultrapassar por outras cidades e de destruirmos o legado que garante a nossa identidade e continuidade como comunidade humana.
É certo que já há trabalho feito por associações e pensadores, mas é preciso muito mais. Infelizmente em Braga parece ainda haver pouca cultura democrática, verificando-se aspectos escuros e pouco nítidos, que provocam o silenciamento de alguma imprensa, a conivência de instituições que dizem defender o interesse público, e a pouca sensibilidade de grande parte da população para estas questões.
Apesar de tudo, o futuro está nas nossas mãos. Cabe a cada um lutar por esta nova cultura que pode tornar Braga bem Maior!

Sem comentários:

Enviar um comentário