quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Associação Famílias e as Convertidas



«O abandono a que está votado o recolhimento das Convertidas é um caso calamitoso e uma vergonha pública (...) que tem culpados». «Entre os governadores civis há um cujo nome pelas piores razões, jamais esquecerei: Cirilo Amorim» «perante testemunhas qualificadas, entre elas o Arcebispo Primaz, garantiu que entregaria o edifício em questão», facto desmentido «em menos de dois meses». «Criaturas destas são bons coveiros da democracia».
Carlos Aguiar Gomes

3 comentários:

  1. Sem dúvida que, se o imóvel estivesse nas mãos da Igreja, as coisas não tinham chegado a este ponto. E o mesmo se passa com muitos outros edifícios por essse Portugal fora, que o Estado confiscou em 1911, apenas para os abandonar à degradação.
    Por outro lado, diga-se, em abono da verdade, que o zelo da Igreja pelos seus imóveis conta, muitas vezes, com a ajuda preciosa dos cofres do Estado.

    ResponderEliminar
  2. A Igreja trata muito bem o que lhe vai parar à mão. Veja-se o matagal do picoto e o cinema S. Geraldo.

    ResponderEliminar
  3. Em resposta ao Salvadorenho:
    Que eu saiba, o S. Geraldo já não pertence à Igreja.

    Quanto ao matagal do Picoto, o que é que a Igreja podia ter feito? Urbanizar aquilo tudo? Ou então, fazer como no Bom Jesus, ou na Falperra, ou no Sameiro?
    É certo que podia mandar limpar o monte regularmente. Mas depois, como é que ficava a tradição de ver o monte a arder em cada noite de S. João, à conta do fogo de artifício?

    ResponderEliminar