sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Ideias para Braga: freguesia de nome "São João"

Com o anúncio do novo mapa administrativo de Braga - que pode ou não sofrer alterações - sobram algumas interrogações, como a estranha fusão de Dume, Real e Semelhe, e outras esperadas mudanças. O desenho das freguesias do espaço urbano, com as mais pequenas Sé, Cividade e S. João do Souto a serem aglutinadas por freguesias maiores, é uma solução mais fácil de aceitar, nomeadamente o agrupamento de S. José de S. Lázaro e S. João do Souto.
S. Lázaro detém cerca de 13.600 habitantes, enquanto S. João do Souto confirmava um decréscimo acentuado de população, situando-se nos 700 habitantes.
Ora, a denominação proposta pela comissão que efectuou esta reforma é "União de freguesias de S. Lázaro e S. João do Souto", algo que não faz sentido. Alguém se vê a escrever isto em impressos onde é pedido o nome da freguesia de residência!?
Por isso mesmo, e suplantando a teoria de que o nome deve referir-se à freguesia com mais habitantes, proponho que a nova freguesia se designe de S. João. Efectivamente, o santo mais festejado de Braga é o elo mais evidente de união destes dois territórios. É em torno da igreja paroquial de São João do Souto e da capela de S. João da Ponte que se realizam, desde há séculos, as festas da cidade de Braga. A acrescentar a isto, o parque da Ponte continua a deter importância primordial na vida comunitária de S. Lázaro, sendo o verdadeiro centro territorial desta freguesia.
O nome "São João" permite conciliar os dois territírios e elevar o principal momento comunitário dos bracarenses.

Uma ideia para Braga...

8 comentários:

  1. Um senão: a capela de S. João da Ponte pertence à paróquia de Santo Adrião.

    ResponderEliminar
  2. Uma boa ideia, sim senhor.

    Caro anónimo, permita-me que complete o seu comentário: "que por sua vez pertence à freguesia de São Lázaro". Aqui ninguém está a falar de paróquias, mas sim de freguesias.

    ResponderEliminar
  3. A morada das pessoas não se altera pelo que estas continuarão a morar na freguesia de S. João do Souto ou de S. Lázaro... o que muda é que o território de ambas passa a ser gerido ppor uma só Junta da União das Freguesias de S. Lázaro e S. João do Souto.

    ResponderEliminar
  4. Caro Luís Amaro,

    Pois sim, estava-se a falar de freguesias; mas, a não ser que esteja convencido de que o S. João foi um herói republicano, ou que é o secretário da junta quem diz as missas na capela, o melhor é levar em linha de conta a religião católica e sua organização territorial, na hora de se apropriar do nome de um santo para denominar uma nova freguesia.

    ResponderEliminar
  5. Republicano sou eu e, como tal, sou laico. Não concebo que as decisões civis seja condicionadas por factores religiosos, ainda para mais numa organização territorial em muitos casos ultrapassada.

    ResponderEliminar
  6. Amigo Luís, deve estar algo baralhado. Se não concebe condicionalismos por factores religiosos, a que propósito acha boa ideia chamar a "nova freguesia" de S. João?...

    ResponderEliminar
  7. Quem disse que ser republicano implica ser laico? Gosto tanto destes laicos que casam pela Igreja e batizam os filhos.

    ResponderEliminar
  8. Porquê mudar de nome?? Quando a Cividade foi, temporariamente, extinta, as freguesias que a assimilaram não mudaram de nome. Ou ficaria S. João do Souto (por antiguidade) ou S. José de S. Lázaro - que até já detinha um pouco do souto de S. João - por uma questão de população e extensão.
    Resta saber é se a redução se irá transformar numa verdadeira redução de cargos ou se depois vão permanecer todos os funcionários...
    Quanto ao Mesquita Machado, foi uma decisão inteligente: quando as pessoas se aperceberem que "perderam" a sua freguesia, vão penalizar (nas urnas) os responsáveis, ou seja o PSD... com a habitual falta de informação habitual, Pilatos lavará as mãos e dirá que não foi nada com ele...

    ResponderEliminar