segunda-feira, 26 de novembro de 2012

O penalti, o desastre e o vilão...

O jogo de ontem marcou mais um episódio triste na época futebolística do Sporting de Braga. Derrota por 2-0, ainda por cima alcançada nos minutos finais de uma partida bem disputada, mas com escassas oportunidades de golo. Poderia escolher muitas palavras para sintetizar a minha desilusão. Escolhi três: o penalti, o desastre e o vilão.

O penalti é inevitavelmente o lance que marca o desafio. Uma bola no braço a desviar um cruzamento de Alan, ainda durante a primeira parte, poderia ter alterado o rumo dos acontecimentos. O árbitro não viu, mas o fiscal de linha tinha que ter vislumbrado. Não entendo o silêncio de António Salvador em face de mais um lance a penalizar o Braga. Depois não se queixe de ser encostado ao Futebol Clube do Porto...

O desastre é inevitavelmente Leandro Salino. Poderia falar de Ruben Micael que, apesar de se arrastar em campo, continua a acumular jogos inteiros...mas falo do homem que ontem ofereceu o segundo golo ao Porto e que foi comprometendo ao longo de toda a partida, a produção da sua equipa, com perdas de bola infantis e graves falhas de marcação. Há muito que não justifica a presença no onze inicial - já não o justificava no ano passado... - mas há um homem no banco de suplentes que, ou é feito de teimosia, ou não percebe nada de futebol. Inclino-me para a segunda hipótese.
O vilão é o homem que se senta no banco. Já todos percebemos que não tem currículo e categoria para treinar um clube com as ambições actuais do Braga. Estamos a escassos dias de comprometer mais um dos objectivos desta época futebolística. Como o bom senso não impera, o homem vai sentar-se no banco, até agonizar de vez com qualquer aspiração do maior clube do Minho. Não entendo porque ainda não fez as malas. Aquela substituição de Micael por Djamal mostra a falta de ambição que reina naquela mente, da mesma forma que a inclusão do mesmo Micael no onze, encostando a "estrela" Mossoró à esquerda, não se entende. Numa altura em que o Braga precisava de um jogador veloz à frente, para arriscar a vitória, encostou a equipa para trás e sofreu dois golos! Não se trata de azar, mas de pura incompetência...

PS - Parabéns ao Douglão! Fez ontem uma exibição notável!

4 comentários:

  1. Na minha opinião foram dois penaltis, ambos desnecessários mas evidentes.
    No lance entre Lucho Gonzalez e Éder, Lucho chega atrasado e há contato evidente entre os jogadores, de tal forma que Lucho quase se lesiona com gravidade.
    Além disso o árbitro no lance do 0-2, deu a "lei da desvantagem", colocando o Salino numa situação complicada, onde este tenta aliviar a bola colocando-a nos pés do jogador do FC Porto.

    Não me parece que seja apenas Salvador, também os adeptos parecem-me menos agressivos e menos veementes a contestar a arbitragem quando o FC Porto joga no Axa. Em resultado disso seria interessante contabilizar quantos penaltis, vermelhos, derrotas e empates tiveram o FCP e o SLB nas deslocações ao AXA.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Carlos, não me parece que a arbitragem tenha sido o factor motriz para a derrota. O maior responsável tem um nome e chama-se José Peseiro.
      Quanto às críticas quanto ao Benfica, é natural que sejam mais carregadas. Não te esqueças (nem me esqueço) do que fizeram ao Braga (e ao Porto) para que o Benfica fosse campeão e 2009/2010. Não fosse isso - que obviamente atesta o poder que o Benfica possui noutras instâncias - e o factor crítica seria mais equilibrado. De qualquer forma, concordo que os dirigentes do Braga são demasiado submissos quando se trata do Porto... algo a rectificar!

      Eliminar
  2. Meu caro falta neste post a sua habitual fixação anti benfiquista. Eu estava à espera de ler que a conspiração benfiquista teria prejudicado o SCBraga de forma a garantir o acesso à Champions. Isto sim seria coerente com as pérolas das anteriores análises (ler p.ex a análise ao jogo com o Sporting). Eu percebo, é duro ter que reconhecer o sinal óbvio do silêncio braguista. Deve perceber que não é fácil levantar a voz ao "dono" e a nomeação do Xistra já tinha sido perfeitamente esclarecedora. Lá diz o outro, a “sorte” dá muito trabalho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro, o dono do Braga são os seus associados. Concerteza esteve desatento à conferência de imprenssa dada pelo mister Peseiro, onde referiu exatamente o lance da grande penalidade a favor do Braga e que não foi sancionada. Infelizmente o Braga não tem os mesmos argumentos que os clubes de Lisboa e Porto para fazer valer os seus interesses. Todos nos lembramos do jogo do tunel cá em Braga, e a forma como as coisas foram feitas em beneficio do clube lisboeta. Gostava de o ter visto comentar nessa altura.

      Eliminar