segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Silêncio sobre a Quinta dos Peões

A solução apresentada densifica ainda mais a urbanização junto da Universidade
A Quinta dos Peões é um dos processos mais polémicos das últimas décadas em Braga. Tratava-se de um terreno experimental do Ministério da Agricultura, leiloado ainda durante o governo liderado por Cavaco Silva. A Rodrigues e Névoa aproveitou a deixa e comprou o terreno em 1995. Entretanto, a Câmara Municipal classificou o terreno como urbanizável, na sua categoria máxima. As polémicas levaram a que a solução para este local tivesse que passar por um acordo entre o detentor do terreno, a Universidade e a Câmara Municipal, estando prevista a cedência de uma área de usufruto público (4 hectares) e a construção de equipamentos sociais da academia.

Ora, o que leva um presidente da Câmara a prescindir de um terreno junto a um Campus universitário, que bem poderia servir de tampão/zona verde a uma zona muito condicionada pela especulação imobiliária, para potenciar a urbanização massiva? Pessoalmente, não entendo...

A discussão, que prossegue no Fórum Bracarae, parece manifestar reservas sobre o ante-projecto apresentado na foto, e que propõe construções com um número reduzido de pisos, mas que completam quase completamente o terreno. Não parece ser seguramente a melhor solução. Esta quinta tinha tudo para ser uma frondosa alameda verde, para desportos e lazer, com um lago artificial e ligação directa ao campus.

E que tal se a universidade abdicasse da sua área constructiva em favor de espaços verdes, mesmo que tal implique que os prédios cresçam um pouco mais em número de pisos?
O que não faz verdadeiramente sentido é a construção de um centro de congressos, numa altura em que se pretende potenciar o Parque de exposições, e a instalação da sede da AAUM, quando é determinante que os estudantes saiam desta zona da cidade e migrem para o centro histórico...

Esperemos que este seja um tema discutido nas próximas autárquicas...

3 comentários:

  1. Mas a Sede da AAUM não ia ser instalada entre o CP2 e o Departamento de Psicologia e Educação?

    ResponderEliminar
  2. A sede da AAUM deveria vir para a Rua do Castelo. Seria umas das âncoras para inverter a morte do centro e devia ser uma das prioridades da CMB. Não faltam argumentos à CMB para convencer a AAUM a aceitar esta solução. A ideia que a sede da AAUM precisa de estar no Campus é absurda. Até porque a segurança do Campus provocaria conflitos.

    ResponderEliminar
  3. Caro Meireles 88

    A nova sede da AAUM está prevista ser instalada num edifício a ser construído no terreno em questão, que albergará também um centro de congressos e funcionará como incubadora de empresas, em estreita relação com a Universidade do Minho.

    ResponderEliminar