segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Cair no largo Carlos Amarante

O novo largo Carlos Amarante, provavelmente um dos espaços urbanos intervencionados onde o impacto estético é decididamente mais agradável, apresenta como limitação do espaço pedonal e do circuito automóvel uns "mecos" piramidais muito discretos e pouco perceptíveis. Dado que a cota de circulação é a mesma e o pavimento não é diferenciado, a única forma de perceber os limites entre as duas áreas de circulação é percepcionar os mecos, tarefa muito exigente para quem tem uma barriga grande ou para quem se desloca de automóvel.
No passado sábado, no espaço de 5 minutos, enquanto a igreja se esvaziava na sequência de uma celebração, duas senhoras estatelaram-se no chão na sequência de terem tropeçado nos afamados mecos, e, pouco depois, uma outra senhora quase tinha o mesmo fim, não fosse uma ajuda pronta intervir.
Para além disso, já há registos de automobilistas que embateram nos mesmos mecos, estando um deles já desviado do circuito, provavelmente na sequência de um choque. Aliás, basta percorrer como automobilista esta praça para perceber como é desafiante não chocar com os mecos. A fazer lembrar um Colin McRae...

Há arquitectos que pensam que vão descobrir a pólvora e tornar-se referências mundiais, todavia está provado que se os passeios são mais altos que a estrada é porque gerações ancestrais foram perspicazes na sua análise da vivência urbana.
Esperemos que a autarquia perceba a armadilha que criou para com os seus cidadãos, e corrija rapidamente esta espécie de amadorismo urbanístico...antes que suceda alguma tragédia.

2 comentários:

  1. apenas mais uma vítima dos afamados mecos que, após ficar com o carro preso num deles, se deslocou à polícia (mesmo ali ao lado) para tentar ter obter ajuda, ajuda essa que foi recusada e, no período em que se ausentou para ir buscar a ajuda necessária foi multado por essa mesma polícia por ter o carro mal estacionado... ridículo...

    ResponderEliminar
  2. apenas mais uma vítima dos afamados mecos que, após ficar com o carro preso num deles, se deslocou à polícia (mesmo ali ao lado) para tentar ter obter ajuda, ajuda essa que foi recusada e, no período em que se ausentou para ir buscar a ajuda necessária foi multado por essa mesma polícia por ter o carro mal estacionado... ridículo...

    ResponderEliminar