domingo, 30 de dezembro de 2012

O ano bracarense em revista: Janeiro-Fevereiro

A compra da Confiança deu muito que falar durante o mês de Janeiro e Fevereiro
Braga, Guimarães e os números do turismo abriu o mês de Janeiro, confirmando certas tendências bairristas e fugas à realidade, que em nada beneficia os dois lados da Falperra. Um dos assuntos que deixou boquiabertos os bracarenses foi a suspensão da construção das piscinas olímpicas, para lá instalar  um parque aquático. Outro dos assuntos em destaque foi a instalação da Pousada da Juventude em Real. A Abertura da Capital Europeia da Juventude marcou o início do ano bracarense e gerou enormes expectativas na população jovem. Com o nome do candidato ainda longe de estar escolhido o PS-Braga viu Ricardo Rio anunciar o parrícidio dos socialistas. A maior gaffe do ano pertenceu a Mesquita Machado, que diz que Braga tem sem-abrigo voluntários. A matança das laranjeiras na Senhora-a-Branca deixou muitos bracarenses revoltados, com um dos projectos mais infelizes do "A Regenerar Braga". Entretanto o Concurso de ideias da Confiança reuniu 84 propostas. Fevereiro amanheceu com uma triste notícia: a Constructora FDO entrou em falência e temeu-se que mais empresas deste sector pudessem seguir-lhe as pisadas. Entretanto, o Governo anunciou a intenção de renegociar rendas milionárias e foi lançada a polémica sobre a nova localização da Loja do Cidadão. As políticas de austeridade continuaram a prejudicar a centralidade de Braga e desta feita a Sub-região de saúde foi extincta. A goleada do maior clube do Minho sobre o rival confirmaria o Sporting de Braga na luta pelo título. O mês não terminaria sem nova polémica sobre a compra da Confiança.

Sem comentários:

Enviar um comentário