sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Ir ao bolso dos bracarenses

Estamos num tempo particularmente sensível no que às finanças diz respeito. A crise económica instalada em Portugal, e agravada pelo programa de assistência financeira, tem provocado inúmeros dissabores a muitas famílias, com medidas que têm muito pouco de consensualidade na sociedade portuguesa. Chovem críticas ao Governo central, uma parte delas com razão, outras tantas exageradas, mas que se entendem...
A Câmara Municipal de Braga tem sido um arauto da discórdia para com o Governo liderado por Passos Coelho, seja pela voz do presidente da Câmara, do vice-presidente e candidato às autárquicas, Vítor Sousa, e até de alguns deputados municipais com elevada ânsia de protagonismo.
No que aos impostos diz respeito, todavia, o executivo bracarense tem pouca ou nenhuma moral para falar, dado que sujeita os bracarenses às mais elevadas taxas municipais, segundo avança o jornal português de maior tiragem.
Segundo a notícia, a Câmara Municipal de Braga tem uma dívida de quase 82 milhões de euros, dos quais 67 milhões à Banca. O novo Estádio Municipal, construído para o Euro’2004 e que custou mais de 125 milhões de euros, é o grande responsável por uma dívida que atinge quase o valor do orçamento anual (113 milhões).
O executivo liderado por Mesquita Machado cobra todas as taxas e licenças pelos valores máximos previstos por lei, mesmo em tempos de crise como os que o país atravessa. A taxa do IMI é de 0,4%, não tendo a maioria (PS) aceite uma proposta do PSD de redução da taxa para 0,35%, atendendo ao acréscimo previsto da receita desse imposto resultante da reavaliação dos imóveis. Na Câmara de Braga, o IMI representa 20% do total da receita.
Além dos impostos, a tabela de taxas e licenças pauta-se também pela cobrança dos valores mais elevados. Os comerciantes são dos mais afectados por esta política fiscal camarária, ao pagarem elevadíssimas taxas de publicidade e esplanadas. Para culminar este descalabro fiscal, em 2013 os bracarenses viram a factura da água aumentar 3,3% e a taxa de saneamento sofrer um crescimento de 8%. Pedro Passos Coelho bem poderia ser um aprendiz ao lado de Mesquita Machado...

Perante tudo isto, que moral têm os socialistas bracarenses para falar do Governo central? Como diz o povo, "bem o prega Frei Tomás; faz o que ele diz e não o que ele faz".

21 comentários:

  1. Tu bem podes tentar fazer o jogo dos teus amigos laranjas, mas não vais longe.

    Joaquim Barreto

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O único jogo que faço é o da clareza e da rejeição da hipocrisia. O ataque pessoal só justifica o incómodo para com o que foi postado acima. Algo a dizer sobre isso?

      Eliminar
  2. Vamos lá ver se a Águas de Portugal nas mãos dos privados, face à monopolização que existe nesse sector por parte dessa empresa, não irá levar a um aumento dos custos da distribuição e do consumo de água para as famílias. É que o fornecedor da Agere é a Águas de Portugal... E quanto a isso, o que diz o Ricardo Rio?

    ResponderEliminar
  3. Vocês fazem o jogo deles mas não o admitem. Isso é que é baixo. É preciso ter muita lata para nunca teres feito uma crítica séria ao govenro que nos está a lixar e a encerrar empresas em Braga. Pegaste num estudo manhoso e imputaste as responsabiliades à autarquia. Hipocrisia é isso.

    Joaquim Barreto

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caso não tenha percebido, este blogue é sobre Braga e sobre o que se faz em Braga. Oportunamente também foram feitas críticas a alguns governantes. Também gostava de ver os socialistas bracarenses a abrirem a boca para com as barabaridades perpetradas por quem está actualmente no poder. Hipocrisia?

      Eliminar
  4. O fornecedor da Agere é a Águas de Portugal?
    E esta hein?

    ResponderEliminar
  5. A Agere é, a bem dizer, a única que escapa à manápula das Águas do Noroeste - Águas de Portugal.
    Infelizmente, os bracarenses não têm visto grandes vantagens nisso. Mas a "sorte" dos restantes municípios também não é nada a ser invejado...

    ResponderEliminar
  6. "Através de empresas constituídas em parceria com os municípios, o grupo AdP (Águas de Portugal) é responsável pela gestão e exploração de Sistemas Multimunicipais, cuja prioridade é dotar o País das infraestruturas que permitam nivelar o atendimento das populações e a qualidade de serviço com a média europeia e dos países mais desenvolvidos."

    E esta, hein?

    ResponderEliminar
  7. Vão lá ver que Braga fica num universo diferente.

    É sobre Braga portanto é sobre Portugal.

    Isso querem vocês que não se fale do país e dos efeitos deste governo neste concelho.

    Ficava-te bem assumires a tua preferência política. É que de neutral pouco tens mas queres muito dar a entender o contrário.

    Joaquim Barreto

    p.s. Se as pessoas tivessem emprego podiam pagar as tarifas, isto não quer dizer que concorde. Pelo contrário.

    ResponderEliminar
  8. Existem várias empresas que fornecem gás e electricidade (edp, galp, endesa, etc), mas a verdade é que os distribuidores são só dois: REN, na electricidade, e as refinarias controladas pela Galp, no gás. Só haveria realmente concorrência se houvesse, pelo menos, mais do que um distribuidor de gás e electricidade. De liberalizado o mercado energético só tem o facto de agora a ERSE não poder exercer qualquer controlo nos preços, continuando a ser um mercado monopolizado, mas agora nas mãos dos privados. Vai ser bonito... Ainda para mais num sector tão "lobbista".

    Com o negócio da água é a mesma coisa. A Agere pode ser independente, mas a água, no fundo, vem toda do mesmo sítio (Águas de Portugal). Com a privatização da AdP, a distribuição da água vai para a mão dos privados. A menos que criem mais empresas a concorrer com a AdP (o que não me acredito), no que em que este governo privatizar a Adp, vou furar o jardim e procurar um poço de água.

    Mas o mais certo é acontecer o que está acontecer em França. Privatizaram todos estes sectores, mas agora tiveram que nacionalizá-los porque os privados não estavam a dar conta do recado correctamente, não tendo, por exemplo, a capacidade de renovar a rede. Em certas coisas o privado não consegue substituir o Estado, e ainda bem que é assim!

    ResponderEliminar
  9. A taxa maxima é 0,5 e não 0,4 - 1o erro
    A reavaliacao de imoveis esta em Braga a niveis muito baixos

    ResponderEliminar
  10. ACBraga diz que?
    Nao se deixe levar pelompopulismombarato do Sr. Ricardo Rio

    ResponderEliminar
  11. A taxa do IMI situa-se entre um mínimo de 0,3 e um máximo de 0,5, para o ano 2013. A decisão de manter a taxa em 0,4 vai ao encontro das decisões tomadas por vários municípios do país em manter a taxa cobrada em 2012.

    ResponderEliminar
  12. Este post é uma "encomenda" de ricardo rio tal como este blog. Este o braga on, o bragamaldita, o braga mais, etc.
    Mas a falta de seriedade é tão gritante que cai logo ao primeiro contraditório.

    Depois das eleições vai deixar de existir porque o objectivo é existir até lá para fazer a campanha na blogosofera.


    Joaquim Barreto

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Falta de seriedade é a de quem se limita a fazer ataques pessoais e recusa discutir os temas que comenta.
      "Encomenda" deve ser a sua... Se isto já faz parte da estratégia eleitoral do PS para a internet, discutida no passado fim de semana em Montariol, pode crer que serei obrigado a não publicar este tipo de acusações sem sentido e que demonstram a falta de vontade de discutir o que afecta os bracarenses.
      Publiquei estes para que os leitores percebam a falta de espírito democrático de certos sectores políticos de Braga.

      PS - E, não, este blogue não depende de eleições, mas meramente da disponibilidade e vontade do seu autor.

      Eliminar
  13. Caro Luis Amaro, parece-me que andas algo confuso.
    A Agere é dona do seu sistema de captação e da sua rede de distribuição. É uma excepção à regra, mas é assim mesmo.

    Será que andas a confundir a Águas de Portugal com o Instituto da Água? Ou a atribuir-lhe as competências das Administrações das Regiões Hidrográficas?...

    Podemos é discutir o que é que Braga ganhou com a privatização de 49% do capital da Agere. Sobretudo se pensarmos nas mãos de quem esse capital está. Mas isso é conversa para durar dias.

    ResponderEliminar
  14. Resposta:(Anónimo 11 de Janeiro de 2013 14:22)

    Sr. JB, explique lá, onde está o jogo?!
    Parece-me, no meu entender, que quanto a factos não há argumentos.
    Ou será o seu comentário confirmação de que: “a realidade dói!”
    O bota-abaixo, sem fundamentação, não é contraditório!

    José Gomes

    ResponderEliminar
  15. É curioso que a agere foi privatizada com o apoio do psd e agora vêm dizer aqui del rei. A escola profissional tb agora mandam gente para a rua. Falem disso. Não interessa, não é?

    Joaquim Barreto

    ResponderEliminar
  16. É engraçado este blog. É todo ele virado à coligação, seja ela no concelho ou no país. Podia publicar a foto do RR abraçado ao PC. Não interessa pois não? Depois vem descolar-se das politicas do governo que todos os dias arruina familias. Esta noticia do Secundino é verdadeira?Diz no DM para publicarem. Atenção às mentiras, pois têm perna curta. Porque não fala da austeridades, da sobretaxa de 3,5%, das tabelas de irs, do desinvestimento na economia, no desemprego a aumentar todos os dias, do ataque ao poder local, da forma como é feita a agregação das freguesias e muito mais há a dizer. Haja decoro...

    ResponderEliminar