sábado, 15 de junho de 2013

O São João de Braga e a entidade de turismo

A troca de mensagens com a página da entidade de turismo no facebook...
Já começaram as Festas de São João de Braga. Tratando-se da terceira cidade do país, pensei que a auto-proclamada entidade de turismo regional estivesse já a dinamizar a promoção de um evento que supostamente apoia, como é passível de ser observado no cartaz dos festejos.
Ora, na página web nada constava e na página do facebook as últimas postagens referiam-se a festas privadas de São João em dois luxuosos hotéis da cidade do Porto... Ou seja, não se promovem os eventos das localidades, mas dá-se particular atenção a estabelecimentos privados de uma das localidades de uma região que engloba 86 municípios!
Movido de algum inconformismo, completado já pela denominação escolhida para esta entidade de turismo, escrevi uma mensagem ao gestor da página da entidade de turismo nesta rede social, interpelando no sentido da promoção do maior evento da terceira cidade de Portugal.
Escassos minutos após chegava a resposta, informando-me que já havia sido colocada uma referência na mesma página. Mal queria acreditar quando percebi que uma parte significativa do texto havia sido escrita neste blogue e, outra parte, que editei há tempos na página sanjoanina wikipédia.
Se uma entidade regional de turismo que se quer profissional e atenta a todos os muncípios que a integram, necessita de uma chamada de atenção para promover o maior evento do terceiro município mais forte demograficamente e, acedendo ao pedido, vai fazer buscas na internet para obter a informação, qualquer coisa não funciona bem. Ou a organização das festas não faz o suficiente na cedência das informações relativas ao evento, ou a entidade de turismo simplesmente não faz bem o seu trabalho de promoção de um evento no qual até está citada como patrocinadora.
Comprovando como as Festas de São João em Braga despertam interesse e atenção, em pouco mais de duas horas, esta postagem da página do facebook da autodenominada entidade de turismo do Porto e Norte já tinha 43 partilhas, efectuadas por pessoas de todo o país!

Sou, desde há muito, um crítico desta entidade regional de turismo, do seu perfil de actuação e, principalmente, do que induz a sua denominação. Os números não enganam a realidade do turismo nesta vasta região. Apesar do crescimento de turistas na região, confirmado no ano de 2012, verificou-se nos 3 anos anteriores uma ligeira redução e estagnação do número de dormidas em Braga, enquanto o Porto capitaliza o crescimento turístico que se tem verificado em toda a denominada região Norte. Uma questão que deveria merecer uma profunda análise das entidades de turismo e uma reivindicação maior da parte das autarquias. 
Se o papel das Entidades de Turismo se centralizar primordialmente num único destino turístico, então são subvertidas, à partida, as motivações que levaram à extinção das regiões de turismo locais. Ao denominar – por exemplo – uma entidade de turismo de “Porto e Norte”, estamos desde logo a incentivar um determinado destino e a clarificar o posicionamento estratégico dessa mesma entidade. Ora, o papel destas estruturas deveria ser principalmente o de quebrar as assimetrias e não o de incrementá-las. O que os números revelam é reflexo desta realidade.

É por estas e por outras que não quero nada a regionalização, muito menos se Braga ficar condenada a partilhar o território com o Porto...
É preciso uma Braga - e bracarenses - cada vez mais reivndicativos para quebrar o comodismo tendencioso da entidade de turismo à qual fomos induzidos a pertencer. As Festas de São João em Braga já foram consideradas o maior arraial de Portugal, atraindo anualmente a Braga milhares de pessoas de todo o país, inclusive do Porto. Há que lutar para recolocar as nossas festas no lugar que já mereceram em outros tempos. Para isso, porém, é preciso cuidar devidamente das tradições que são apenas nossas e reformular alguns dos eventos do programa das festas. 
Para quando uma organização das festas que não represente um partido político, mas que tenha representantes das forças vivas mais significativas na cidade e preste contas do que faz a todos os cidadãos? É que o São João de Braga não é património privado de um grupo de pessoas, por mais altruísmo que as conduza na sua missão, mas é um inevitável legado de todos os bracarenses...

4 comentários:

  1. Gostei do seu comentário e queria acrescentar o seguinte:
    - a maioria das câmaras municipais não fazem tradução dos folhetos e programas de festas para Inglês;
    - a promoção só chega aos visitantes locais;
    - os sites das câmaras só tem tradução em Inglês e por vezes nem isso!

    Como podemos promover o maior evento de Braga se não tem viabilidade para isso?


    ResponderEliminar
  2. Viva Rui. Sou do Porto e procurava informação sobre o S. João de Braga, para variar um pouco. De facto, não encontrei nada e, como tal, tenho de concordar consigo. (Já agora, se tiver uns links sobre a agenda e os pontos-altos, agradeço)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Flinto, deixo-lhe o link com o programa: http://www.cm-braga.pt/wps/wcm/connect/40d9f0804fd2e6b59e3b9e241682ae5a/programa2013.pdf?MOD=AJPERES.

      Aconselho vivamente, no dia 23, o cortejo da associação de festas e abertura oficial, o despique de bombos à tarde, e o cortejo das Rusgas à noite. Para além obviamente da participação no arraial da POnte.
      No dia 24, é obrigatório ver a dança do Rei David e o Carro dos Pastores, que percorrem a cidade entre as 09h00 e as 16h00.

      Eliminar
  3. Obrigadíssimo Rui. Um grande S. João.

    ResponderEliminar