segunda-feira, 15 de julho de 2013

Desvalorizar Braga todos os dias


A partir de hoje vamos iniciar uma rúbrica para analisarmos detalhadamente o programa eleitoral sufragado pela maioria dos bracarenses nas autárquicas realizadas em 2009. No fundo, o que vai estar em avaliação nas autárquicas de setembro próximo é não apenas os programas eleitorais que os candidatos vão propôr ao eleitorado, mas também se aqueles que nos governaram no mandato 2009-2013 foram capazes de cumprir aquilo ao qual se comprometeram. Não percebo como nenhum partido da oposição ainda não o fez...
  
PLANEAMENTO, REGENERAÇÃO URBANA E QUALIDADE-DE-VIDA

(Executado/ Não Executado/ Desconhecido)
  • Concluir a revisão do Plano Director Municipal, assumindo como objectivos a disponibilização de terrenos com capacidade construtiva nas diversas freguesias, visando em simultâneo a criação de novas zonas industriais; (Discussão Pública???)
  • Completar a rede viária principal programada no actual Plano Director Municipal, concretamente:  
    • Variante à EN 103, entre o Nó do Areal e o Lugar do Fojo, que se assumirá como acesso principal ao novo hospital;
    • Variante do Cávado, entre Ferreiros e a Ponte do Porto, servindo a grande superfície comercial em construção em Palmeira e o Parque Industrial de Adaúfe;
  • Programar a execução da Via Circular Exterior, já estudada de forma preliminar, aliviando do trânsito de atravessamento algumas áreas urbanas centrais;
  • Criar um Gabinete Municipal de Projectos para requalificação do parque edificado do concelho;
  • Instituir um Prémio de Arquitectura, a atribuir pelo Município de Braga em parceria com instituições da área, para distinguir projectos de mérito, com a intenção de promover uma arquitectura mais qualificada;
  • Qualificar ainda mais o espaço comercial instalado na área pedonal, considerado o melhor centro comercial ao ar-livre do país, dinamizando simultaneamente uma política de fixação de moradores no centro histórico, criando eventualmente uma Sociedade de Reabilitação Urbana;
  • Promover a abertura de espaços de animação no centro histórico para o manter atractivo, não só durante o período comercial, mas durante o restante período de tempo, o que, por consequência, vai aumentar a segurança, estimular a habitação, sobretudo dos mais jovens, e acelerar o processo de revitalização;
  • Acelerar os projectos de requalificação do espaço público nas artérias mais centrais da cidade, à semelhança das recentes intervenções nas Avenida D. Afonso Henriques, Avenida da Liberdade ou Rua 25 de Abril, projectos finaciados pelo QREN com grande área de abrangência;
  • Promover a mobilidade sustentável através da implementação de projectos relacionados com a disponibilização de bicicletas, como é o caso do projecto TUBiclas, em parceria com os Transportes Urbanos de Braga;
  • Implementar uma rede ciclável contínua que integre a cidade e outras áreas de lazer e de equipamentos, como seja toda a margem dos rios Cávado e Este, Campus Universitário de Gualtar, o novo hospital e parques verdes de Lamaçães, Picoto, Ponte e Braga/Norte;
  • Reforçar a atractividade da cidade através da preservação e valorização de espaços de excelência urbana, à semelhança do resultante do prolongamento do túnel da Avenida da Liberdade;
  • Qualificar o ambiente urbano e os factores mais determinantes da qualidade-de-vida, assegurando espaços de referência ambiental e de maior biodiversidade, concluindo os projectos do Parque da Rodovia, Rio Este, Monte Picoto, Parque das Camélias e Parque de São João da Ponte, que de forma contígua constituirão um grande corredor verde;
  • Concluir os projectos e implementar a execução dos vários equipamentos inerentes ao Parque Urbano de Braga/Norte, Parque das Sete Fontes e Aproveitamento das Margens do Rio Cávado;
  • Monitorizar regularmente a qualidade do ar, os índices de radioactividade e de ruído, de forma a implementar medidas de redução nos principais pontos críticos;
  • Reforçar a aposta nas energias renováveis, nomeadamente nos equipamentos municipais, hoje em maior número devido à integração de parte significativa do parque escolar, incentivando a microgeração eléctrica, num projecto que cative os munícipes através de medidas de discriminação positiva;
  • Implementar e divulgar as medidas decorrentes do projecto MOBI-E, a que Braga aderiu e que tem por objectivo a promoção da mobilidade eléctrica, nomeadamente a utilização de veículos eléctricos que brevemente vão chegar ao mercado, o que implica a instalação de postos de alimentação, concretamente nas áreas de maior densidade urbana;
  • Promover uma utilização mais intensiva dos transportes colectivos, implementando medidas que apelem à transferência modal, reforçando a comodidade e a frequência dos transportes públicos na zona urbana;
  • Promover um estudo de viabilidade económico-financeira, utilizando os fundos do QREN disponíveis para o efeito, para a implementação de um metro de superfície ligeiro, ou de uma rede de eléctricos na cidade, atendendo aos principais fluxos de mobilidade e aos novos pólos de atracção que estão surgir, designadamente o novo hospital e a estação ferroviária de Alta Velocidade; 
6 EXECUTADOS
10 NÃO EXECUTADOS
3 DESCONHECIDOS

Sem comentários:

Enviar um comentário