domingo, 18 de agosto de 2013

MAIOR AO DOMINGO: Pedro Morgado

(http://www.photo.rmn.fr/LowRes2/TR1/NBDEI4/12-560938.jpg)
Braga destacada pela aposta na melhor arquitectura contemporânea
Quando caminhamos por Braga percebemos que o património edificado que o tempo (e os homens) preservaram se afirmou pela qualidade arquitectónica e pela genialidade dos artistas que lhe deram corpo. Poderíamos citar, a título de exemplo, as obras de André Soares e Carlos Amarante que se perpetuaram no tempo e resistiram praticamente imaculadas à usura dos bracarenses que os precederam. É por isso que um tempo que queira deixar a sua marca para as gerações vindouras precisa de apostar nos melhores artistas contemporâneos.

Vem isto a propósito do Estádio Axa (ou Municipal de Braga) e da forma como, por via da aposta arriscada e arrojada num arquitecto verdadeiramente genial, se converteu num ícone da cidade que resistirá com toda a certeza à usura do tempo e se converterá numa herança riquíssima para as gerações vindouras.

Quando visitei pela primeira vez o Centre Pompidou, em Paris, Le Courbusier estava em destaque. Percorri uma vasta exposição sobre este suíço que, não sendo arquitecto, foi considerado percursor da arquitectura moderna. Através da visita tomei conhecimento de um vasto conjunto de obras e projectos sobre cidades que fiquei com infinita vontade de visitar. Por estes dias, recebi de um amigo uma fotografia de Braga tirada precisamente no Centre Pompidou. É que, naquela casa-mãe da cultura e da arte mundiais, está patente uma exposição sobre a obra de Eduardo Souto Moura e em grande destaque a cidade de Braga e o seu monumental Estádio Axa. Não consegui disfarçar o sorriso e a excitação pela notícia. Quantas cidades estiveram em destaque no Centre Pompidou? Quanto vale tamanha publicidade à nossa terra num dos mais visitados centros de arte do mundo? Quantos turistas virão a Braga ver o estádio depois de o conhecerem por esta via? Quanto ficarão nos nossos hotéis e quantos comerão nos nossos restaurantes?

Apesar das muitas críticas, o Estádio Axa (ou Municipal de Braga) acabou por ser o melhor investimento de todos os que se fizeram para o Euro 2004. Senão vejamos: é de todos os que se mantêm na esfera pública aquele que tem a maior taxa de assistência nos jogos; é de todos os que se mantêm na esfera pública aquele que tem o maior número de eventos desportivos por ano; é de todos aquele que tem o maior destaque internacional e aquele que reúne o maior número de prémios, projectando a cidade e a região de uma forma ímpar.

No fundo, a moral desta história é que, quando se investe com qualidade, o retorno acaba por acontecer. E, se Braga quiser estar nos roteiros mundiais de alguma coisa, tem que investir com arrojo (nos estádios e no resto). Pode ser que a arquitectura seja outra vez uma bandeira capaz de relançar a cidade.

11 comentários:

  1. "é de todos os que se mantêm na esfera pública (...)"
    É hilariante ver como se reduz a nossa amostra até ao ponto de podermos relevar o que nos interessa!
    Espero que o Sr. Dr. Pedro Morgado seja intelectualmente mais honesto na sua carreira académica, porque quanto aos seus artigos, continuam tendenciosos (para não dizer mais) como sempre...

    ResponderEliminar
  2. Meu caro anónimo Nuno,

    Foram construídos 10 estádios, sendo que 5 se mantêm na esfera pública. Os restantes, 4 foram construídos por entidades privadas e 1 foi entregue graciosamente a uma entidade privada. Quando estamos a debater o interesse público, devemos centrar-nos naquilo que está dentro da esfera do Estado porque o que é privado entra noutras contas [e não me interessa trazer para o debate o que os privados fazem ao seu dinheiro]. Mas, mesmo considerando o universo dos 10 estádios, o estádio do Braga ficaria entre o 1º lugar e o 4º lugar em todas as categorias descritas.

    Quanto ao resto, lamento que não saiba que toda a opinião tem a sua dose de parcialidade. Honestidade é precisamente ter a capacidade de partilhar a opinião com um nome e sujeitá-la ao escrutínio público ainda que esse escrutínio possa ser feito apenas com base em ataques pessoais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não escrevi anonimamente, escrevi o que escrevi, como sempre o fiz aqui neste blogue e noutros com o meu perfil de Bloger, mas se o que o incomodava é não ter primeiro nome e apelido, tal como o Pedro Morgado, já está feita a correção. Chamo-me Nuno Vieira.
      Agora se calhar o que o incomodou, não foi a falta de apelido, mas sim a "descoberta da careca". Pois, essa dói muito mais!
      Mas é assim que pode acontecer, quando se tenta deitar areia para os olhos dos outros.
      As pessoas em geral do nosso Portugal e mais especificamente em Braga também, podem não ser muito informadas e "engolirem" tudo o que se lhe diz (quantas são enganadas por isso), mas aqui, no contexto dos leitores deste blog, as pessoas são mais informadas e não gostarão, tal como eu não gostei, que nos tentem ludibriar com meias verdades, para defender uma opinião.
      Já agora, opinião é por exemplo o Pedro Morgado gostar do estádio municipal e eu não. Opinião é o Pedro Morgado achar que Braga ganha com esse estádio e eu não. Opiniões, cada um têm as suas.
      Agora, fazer um arranjinho com os dados estatísticos que apresenta, isso já não é opinião, nem sequer parcialidade, isso é desonestidade intelectual. Não tem outro nome!
      Se como diz “estamos a debater o interesse público, devemos centrar-nos naquilo que está dentro da esfera do Estado”, porque é que a partir do segundo argumento deixa de fazer a ressalva “é de todos os que se mantêm na esfera pública”?
      Pior do que errar, é persistir no erro e fazer dos outros … burros!
      O Pedro Morgado, não é a primeira vez que o faz (também dizia que o Sim ao aborto ganhou em Braga, reduzindo o circulo eleitoral de Braga às freguesias urbanas, coisa que não existe em termos eleitorais, nem sei como o pode afirmar sequer, pois os resultados oficiais fornecidos pela Comissão Nacional de Eleições, apresenta os dados por Distritos e não por Concelhos, quanto mais por freguesias urbanas. Conferir; Mapa Oficial nº 1/2007 da CNE) e por isso, já que se presta ao escrutínio público dando as suas opiniões publicamente, no espaço muito gentilmente cedido pelo Rui Ferreira, neste blogue que eu tanto gosto de ler, terá que ter mais cuidado com o que escreve, se não quer ser chamado à verdade por quem o lê!
      Ainda, não entre numa de vitimização, ao pior estilo dos nossos políticos e achar que quem está contra o que escreve, está contra si, que é algo pessoal ou que é tudo uma cabala…

      Cumprimentos

      Eliminar
    2. Eu não escrevi anonimamente, escrevi o que escrevi, como sempre o fiz aqui neste blog e noutros com o meu perfil de Bloger, mas se o que o incomodava é não ter primeiro nome e apelido, tal como o Pedro Morgado, já está feita a correcção. Chamo-me Nuno Vieira.
      Agora se calhar o que o incomodou, não foi a falta de apelido, mas sim a "descoberta da careca". Pois, essa dói muito mais!
      Mas é assim que pode acontecer, quando se tenta deitar areia para os olhos dos outros.
      As pessoas em geral do nosso Portugal e mais especificamente em Braga também, podem não ser muito informadas e "engolirem" tudo o que se lhe diz (quantas são enganadas por isso), mas aqui, no contexto dos leitores deste blog, as pessoas são mais informadas e não gostarão, tal como eu não gostei, que nos tentem ludibriar com meias verdades, para defender uma opinião.
      Já agora, opinião é por exemplo o Pedro Morgado gostar do estádio municipal e eu não. Opinião é o Pedro Morgado achar que Braga ganha com esse estádio e eu não. Opiniões, cada um têm as suas.
      Agora, fazer um arranjinho com os dados estatísticos que apresenta, isso já não é opinião, nem sequer parcialidade, isso é desonestidade intelectual. Não tem outro nome!
      Se como diz “estamos a debater o interesse público, devemos centrar-nos naquilo que está dentro da esfera do Estado”, porque é que a partir do segundo argumento deixa de fazer a ressalva “é de todos os que se mantêm na esfera pública”?
      Pior do que errar, é persistir no erro e fazer dos outros … burros!
      O Pedro Morgado, não é a primeira vez que o faz (também dizia que o Sim ao aborto ganhou em Braga, reduzindo o circulo eleitoral de Braga às freguesias urbanas, coisa que não existe em termos eleitorais, nem sei como o pode afirmar sequer, pois os resultados oficiais fornecidos pela Comissão Nacional de Eleições, apresenta os dados por Distritos e não por Concelhos, quanto mais por freguesias urbanas. Conferir; Mapa Oficial nº 1/2007 da CNE) e por isso, já que se presta ao escrutínio público dando as suas opiniões publicamente, no espaço muito gentilmente cedido pelo Rui Ferreira, neste blog que eu tanto gosto de ler, terá que ter mais cuidado com o que escreve, se não quer ser chamado à verdade por quem o lê!
      Ainda, não entre numa de vitimização, ao pior estilo dos nossos políticos e achar que quem está contra o que escreve, está contra si, que é algo pessoal ou que é tudo uma cabala…

      Cumprimentos

      Eliminar
    3. Caro Nuno,

      Se melhorar os seu métodos de pesquisa poderá encontrar:

      a) os dados que referi neste artigo e confirmar que correspondem à integral verdade;

      b) os resultados do referendo do aborto por freguesia (e por concelho e por distrito);

      c) a definição oficial da área urbana do concelho de Braga e dos limites da cidade de Braga.

      Não se pode chamar ninguém à verdade quando, por desconhecimento ou má fé, se insiste em referir que os dados apresentados são inexistentes mas se é incapaz de demonstrar que esses mesmos dados estão errados.

      Eliminar
    4. Caro Pedro Morgado,

      Talvez os meus métodos de pesquisa não sejam os mais eficazes, apesar de procurar na fonte oficial no que toca a eleições, que é a Comissão Nacional de Eleições, mas ao menos eu apresentei aqui a minha fonte. E o Pedro quando apresenta as suas? Só lhe ficava bem, já que tem tanta certeza delas.

      Ainda em relação ao "estudo" que fez sobre o Estádio Municipal de Braga, eu nem contestei os dados onde se baseou para chegar à conclusão que chegou, questionei sim a forma como os trabalhou, ora reduzindo a amostra, quando conveio, para e sito "é de todos os que se mantêm na esfera pública”, para logo a seguir se esquecer desta restrição!

      Mas, pronto, para que não pareça que é pessoal este debate, faço-lhe justiça numa coisa, que é, parece-me, o cerne do seu artigo, e que não precisa de dados estatísticos comparativos com os outros 10 estádios construídos no Euro 2004, para que se o afirme. O Estádio Municipal de Braga, do ponto de vista arquitectónico, destaca-se sem dúvida dos demais e tem uma projecção nacional e internacional, que mais nenhum outro tem!

      Não é difícil ir ao estrangeiro e ao falar-se com alguém ligado à área da arquitectura, o nosso interlocutor referir-nos com deferência o arquitecto Souto de Moura e o Estádio Municipal de Braga. Isto naturalmente prestigia a cidade que lhe dá o nome.

      Falta no entanto saber se esta projecção nacional e internacional, compensa o preço altíssimo que ele custou.

      Agora se pusermos de lado o aspecto arquitectónico e olharmos para o lado funcional deste estádio, posso afirmar pela minha experiência pessoal e de muitos bracarenses, arriscaria mesmo a dizer de quase todos (excepto talvez os que assistem aos jogos a partir dos camarotes), que este estádio, que custou uma fortuna, é desconfortável.

      Tem uma pala muito gira, mas que não protege da chuva. Possui um exíguo parque de estacionamento. Os acessos para os transportes públicos são acanhados. E o pior de tudo, é fazer alguém subir aqueles degraus todos na bancada nascente. É de loucos! Impossível para alguém com uma certa idade.

      Souto de Moura pode perceber muito de arquitectura, mas de estádios de futebol percebe zero!

      A arquitectura devia estar mais ao serviço do ser humano e menos da estética, ou então conciliar as duas.

      Este estádio é como aqueles blocos de pedra a fazerem de bancos no renovado Parque da Ponte. Podem ficar muito bem na fotografia, mas não servem (confortavelmente) o fim para o qual foram criados!

      Eliminar
  3. Se acha o Estádio Camarário de mais de 33 milhões de contos uma aposta correcta para a cidade, aconselho-o a pesquisar o efeito Bilbau, que custou menos de metade e funcionou.
    Quer saber os efeitos do estádio na hotelaria e restauração em Braga? Contacte as pessoas do sector, acho que vai ficar surpreendido.
    Tem noção da carga de juros que a câmara paga anualmente pelo estádio?
    Tem noção que durante 20 anos, 10% do orçamento da câmara se destina unicamente a pagar o empréstimo contraído para pagar o estádio.
    Tem noção que a Câmara paga a manutenção e não e' usufrutua'ria.
    Quer saber quanto os adeptos do clube gostam da funcionalidade do estádio? Acompanhe-os num jogo e percebera'...
    Desconheço em absoluto que seja o Paulo Morgado, por isso não considere um ataque pessoal mas suspeito que seja mesmo intelectualmente honesto.

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  4. Se acha o Estádio Camarário de mais de 33 milhões de contos uma aposta correcta para a cidade, aconselho-o a pesquisar o efeito Bilbau, que custou menos de metade e funcionou.
    Quer saber os efeitos do estádio na hotelaria e restauração em Braga? Contacte as pessoas do sector, acho que vai ficar surpreendido.
    Tem noção da carga de juros que a câmara paga anualmente pelo estádio?
    Tem noção que durante 20 anos, 10% do orçamento da câmara se destina unicamente a pagar o empréstimo contraído para pagar o estádio.
    Tem noção que a Câmara paga a manutenção e não e' usufrutua'ria.
    Quer saber quanto os adeptos do clube gostam da funcionalidade do estádio? Acompanhe-os num jogo e percebera'...
    Desconheço em absoluto que seja o Paulo Morgado, por isso não considere um ataque pessoal mas suspeito que seja mesmo intelectualmente honesto.

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  5. manter na esfera pública um equipamento de uso estritamentre privado, que é alugado à FPF e à UEFA pelo clube privado que o usa, sem dar cavaco ao Município que paga TODAS AS DESPESAS DE MANUTRENÇÃO fins privados so quer dizer uma coisa: o meu dinheiro e o de todos os contribuintes anda a pagar ordenados milionários de jogadores e eu nem sequer vou à bola. O texto do Morgado quase me fez chorar de emoção, não fora um senão: por melhor que seja um burro mantê-lo a pão-de.ló com dinheiros dos contribuintes sai muito caro. Imagina o Pedro Morgado que a publicidadezinha que viu em Paris à cidade de Braga está a custar mais de 450 milhões de euros desde a construção do estádio? Quantos turistas e durante quantos anos têm de vir a Braga para cobrir essse custo que cointinua a crescer? Eu gostava era de ver no Centro GP o custo real do novo estádio e quanto paga Braga anaualmente pelo monstro....

    ResponderEliminar
  6. manter na esfera pública um equipamento de uso estritamentre privado, que é alugado à FPF e à UEFA pelo clube privado que o usa, sem dar cavaco ao Município que paga TODAS AS DESPESAS DE MANUTRENÇÃO fins privados so quer dizer uma coisa: o meu dinheiro e o de todos os contribuintes anda a pagar ordenados milionários de jogadores e eu nem sequer vou à bola. O texto do Morgado quase me fez chorar de emoção, não fora um senão: por melhor que seja um burro mantê-lo a pão-de.ló com dinheiros dos contribuintes sai muito caro. Imagina o Pedro Morgado que a publicidadezinha que viu em Paris à cidade de Braga está a custar mais de 450 milhões de euros desde a construção do estádio? Quantos turistas e durante quantos anos têm de vir a Braga para cobrir essse custo que cointinua a crescer? Eu gostava era de ver no Centro GP o custo real do novo estádio e quanto paga Braga anaualmente pelo monstro....

    ResponderEliminar