segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Sporting de Braga: um clube centenário?



Completam-se hoje 99 anos sobre a primeira noticia conhecida de uma instituição desportiva de nome Sporting Clube de Braga. Foi a 16 de setembro de 1914 que o jornal “Echos do Minho” dava conta da formação de um “novo” clube na capital minhota, anunciando detalhadamente a constituição dos seus órgãos sociais.
Este dado, assumido pela primeira vez a partir da interessante obra “A História da Bola em Braga”, da autoria de Evandro Lopes e João Nogueira Dias, não pode passar ao lado da averiguação histórica a respeito das raízes da maior instituição desportiva de Braga e do Minho.
Atualmente é plenamente assumido a data de 19 de janeiro de 1921 como a legítima data de fundação do Sporting Clube de Braga. Esta referência temporal corresponde à inscrição notarial da agreminação arsenalista. Como sabemos, muitas das associações e instituições que vão surgindo no seio das comunidades iniciam a sua actividade e organização interna muito antes de oficializarem, junto dos legítimos órgãos, a sua existência efectiva. Porém, tal não significa que não tenham existido verdadeiramente antes desse passo oficial. Portanto, a efeméride anualmente assinalada pelo Sporting Clube de Braga refere-se à data da instituição legal do clube e não propriamente à sua efetiva fundação. Este dado daria, por si só, fundamentos para uma reflexão.
A partir dos dados disponíveis, não poderemos especular a respeito de uma fundação anterior?
Em outubro de 1914, um título anunciava a nomeação de António Mendes Ribeiro como Presidente do Conselho Fiscal, em resultado do pedido de demissão do titular do cargo, António M. Rodrigues. Uma instituição desportiva que não usufruísse de certa vitalidade e organização não teria este tipo de procedimento estatutário e, muito menos, o anunciaria num órgão de comunicação local. O Sporting Clube de Braga não apenas existia, como tinha efetiva atividade.
Revista comemorativa do 15.ª aniversário do clube...
Outro dado que pode fundamentar esta especulação é o facto de não existir qualquer referência ao Sporting Clube de Braga na imprensa local ao longo dos primeiros três meses de 1921. Numa época em que os jornais primavam pelo destaque à dinamização desportiva, surpreende que não se comentasse a fundação de um clube onde eram dirigentes pessoas influentes na cidade.
É certo que surge depois um longo interregno de notícias a respeito do Sporting Clube de Braga. Contudo, tal não se verificou apenas a respeito deste clube, mas de todo o associativismo desportivo realizado na cidade, em face da participação portuguesa na 1.ª Guerra Mundial e respetiva exigência do serviço militar. Dado que a atividade desportiva se desenvolvia primordialmente a partir dos estratos mais jovens, e detinha uma particular vitalidade até 1914, podemos conjecturar uma interrupção assinalável da competição desportiva.
Após este adormecimento desportivo, a primeira notícia encontrada a respeito do Sporting Clube de Braga na imprensa aconteceu a 21 de abril de 1921 o jornal “Diário do Minho”, relatando a realização de um jogo com o Sporting Club de Algés. Nenhum dado permite inferir que se tratasse de um clube acabado de fundar. Aliás, a importância desportiva do Sporting Clube de Braga, quando na cidade prontificavam outros emblemas de igual relevo, é atestada pelo facto de nas Festas de S. João de 1922, um dos pontos do cartaz ser precisamente uma partida de futebol entre o Sporting Clube de Braga e o Futebol Clube do Porto. Este jogo, disputado no campo da Rua do Raio, atesta o destaque que a instituição almejava na cidade, sendo já tratado popularmente como “Sporting”. E, repare-se, que ser cartaz no mais importante e dispendioso evento bracarense não estava ao alcance de uma agreminação que tivesse ainda em constituição ou a viver or primeiros dias da sua efectiva existência. Mais um dado para reflexão.
Há outro dado a baralhar esta discussão sobre a fundação do maior clube do Minho. Fazendo fé em três edições comemorativas publicadas nos anos de 1934, 1935 e 1936, o Sporting Clube de Braga nascera em 1919. O mais curioso destas revistas comemorativas é a referência ao aniversário do clube tendo como ponto de partida o ano de 1919. A edição de 1934 referia-se precisamente ao 15.º aniversário do clube. Este ano talvez represente o renascimento do clube depois do interregno patrocinado pela ausência da juventude local, vergada perante o imperativo de participação na 1.ª Guerra Mundial. Porque então, décadas mais tarde, se passou a ter o ano de 1921 como referência? Talvez devido à instabilidade financeira e diretiva vivida nos anos 40 e 50 tenha baralhado os dados e documentação a respeito do memorial do clube, algo perfeitamente plausível numa instituição sempre em renovação e em mudança de instalações. Anos mais tarde, na busca de uma referência temporal, alguém terá encontrado o documento de institucionalização e tornou-o referência fundacional, ocultando uma história que, inagavelmente, se iniciou antes dessa data.
A história do Sporting de Braga foi-se construindo com diversos momentos e protagonistas, o mais marcante – sem dúvida – a épica vitória na Taça de Portugal de 1966, à qual podemos certamente acrescentar a presença numa final europeia, feito alcançado a 18 de maio de 2011 e que só esteve ao alcance dos mais importantes emblemas do futebol nacional.
Sendo certo que existiu uma descontinuidade da atividade desportiva, aferível na imprensa e justificada em factores históricos, não deixa de ser objetivo que existiu um clube chamado Sporting Clube de Braga em 1914, que terá retomado a atividade competitiva alguns anos mais tarde.
Quando instituições desportivas como o Futebol Clube do Porto ou o Sport Lisboa e Benfica, que resultaram de fusões de clubes pré-existentes, utilizam como data de fundação o ano em que iniciou atividade o clube mais antigo dessa fusão, de forma aumentar a sua suposta ancestralidade, por que razão o Sporting Clube de Braga não poderá considerar a sua primeira referência como demarcação histórica da sua fundação?
Podemos, pois, estar a assinalar, por estes dias, os 99 anos da maior instituição desportiva de Braga e do Minho. A confirmar-se este dado, no próximo ano será ano de centenário. Numa altura de grande crescimento e afirmação do Sporting Clube de Braga fará sentido o próprio clube ficar alheio a esta averiguação histórica?

1 comentário:

  1. Pois é, um clube quase centenário com apenas 92 anos, esta investigação deveria ser feita com muita seriedade, se o SC Braga nasceu em 1914 ou 1919 é por aí que se deve assinalar os anos e sua verdadeira data de nascimento.

    ResponderEliminar