terça-feira, 15 de outubro de 2013

Convertidas de urgência

Sábado muitos bracarenses tiveram oportunidade de regressar às Convertidas, um nome agora conhecido por polémicas e suspeitas e tão pouco pela sua inequívoca valia artística e histórica.
O desânimo e o desalento apoderam-se dos amantes do património brácaro. A chuva vai-se infiltrando e o edificado agudiza a sua deterioração. A longa espera pela sua reabilitação parece ter ficado novamente adiada...
Enquanto isso, a Câmara Municipal de Braga prepara-se para desembolsar 3 milhões de euros para adquirir imóveis que lhe estão contíguos, num negócio que envolve directamente familiares do ainda Presidente da Câmara, e que só os tribunais podem travar. Deduzo que nem um terço dessa verba seria necessária para substituir o telhado, renovar estruturas e equipar um edifício que pertence ao Estado e está classificado como Monumento de Interesse Público.
Cada vez sou mais adepto da sua reconversão num pousada juvenil temática, à imagem do navio-hospital Gil Eanes em Viana do Castelo, que é um verdadeiro sucesso. Naturalmente que só aprovaria tal projecto se isso implicasse não alterar minimamente a estrutura arquitectónica do edifício, mantendo as exíguas celas e o estilo de construção. Seria como que dormir numa espécie de convento oitocentista, onde o tempo não quis passar. Melhor imagem de marketing é impossível! Veja-se o sucesso do Gil Eanes!
Se os velhos do Restelo continuarem a bociferar, estando sempre contra as soluções mais viáveis, cairá sobre a sua cabeça o destino que parece inevitável. Esperemos que o bom senso impere e que o Estado assuma as suas responsabilidades, dado que o imóvel é possessão sua...

1 comentário:

  1. Tenho muitas reservas quanto à instalação da Posada da Juventude nas Convertidas. O exemplo da pousada que funcionou no Gil Eanes, que está longe de ser um caso de sucesso e se encontra encerrada pelo menos desde Dezembro de 2012, é apenas um dos argumentos para sustentar as minhas dúvidas. Foi um erro não ter aproveitado a CEJ e a requalificação do quartel da GNR para resolver a questão, mas pelo menos ainda se evitou o erro de a construir no Convento de S. Francisco. Espero que agora se possa estudar diferentes soluções, mas duvido que seja a possível conciliar a preservação do património com uma adaptação do edifício a uma pousada de juventude.

    ResponderEliminar