domingo, 20 de outubro de 2013

Ideias para Braga: arte sacra no convento de Real


O convento de S. Francisco (a direita) continua a aguardar uma solução de futuro
Ao longo da última década algumas confrarias e irmandades foram manifestando vontade de avançar para a constituição de espaços museológicos. Entre estas saliente-se a Misericórdia, que pretende aproveitar o antigo hospital de S. Marcos. Porém, também a Irmandade de Santa Cruz pretende edificar um museu, e ainda os Terceiros e o Pópulo. Sabemos que hoje existem grandes espólios guardados em dependências dos templos e nas sacristias. A evolução da liturgia, com a reforma promovida pelo Concílio Vaticano II, provocou o desuso de muitas alfaias e objectos de arte sacra. Braga, como a diocese historicamente mais relevante do nosso país, poderia apostar na criação de um grande museu de arte sacra, ao qual se podia associar um centro de investigação e inventariação vinculado à Arquidiocese. O processo de inventariação poderia resultar em frequentes exposições temporárias, à imagem do que já se faz no melhor museu português, o Museu Nacional de Arte Antiga. Porque não juntar todas as confrarias e paróquias num projecto comum? Porque não aproveitar o espólio, valorizá-lo e pô-lo ao serviço da economia da cidade? Porquê cada instituição continuar a querer fazer o seu próprio projecto, quando podem juntas alcançar um projecto de grande magnitude, que projecte o nome da cidade? O edifício do antigo convento de S. Francisco, em Real, poderia ser o local ideal para desenvolver este projecto, tendo ainda como aliciante maior a capela de S. Frutuoso, que continua estranhamente a passar ao lado dos fluxos turísticos de Braga.
O convento de S. Fracisco, em Real, apresenta-se hoje arruinado. Com raízes profundas num antigo cenóbio fundado no século VII pelo próprio S. Frutuoso, esta edificação monacal conta diversas ocupações em diferentes períodos da sua história. Depois da infeliz ideia da instalação de uma pousada da juventude, urge dar-lhe uma nova utilidade. 
 
Uma outra ideia a ser explorada, poderia ser um curso profissional na área da arte sacra, de forma a potenciar a existência de uma escola de artistas em Braga. Esse sector continua a ser muito procurado, embora a qualidade das esculturas não seja propriamente louvável.

2 comentários:

  1. A ideia é boa mas penso que um museu desses assentava melhor no centro da cidade.
    Para o Convento e dada a localização periférica menos urbana e proximidade com a Quinta Pedagógica apostava antes num museu da Agricultura (onde Braga tem grandes raízes) + Centro Interpretativo da Paisagem, Geografia e Ambiente do concelho.
    E como se ouve dizer que a agricultura é o futuro, poderia-se também apostar num curso profissional (parceria com EPB), implementar investigação na área (parceria com UM) e impulsionar jovens agricultores (parceria com AAUM). Ainda há muito terreno agrícola e florestal em Braga...

    ResponderEliminar
  2. Grande ideia. Como habitante de Real não posso estar mais de acordo. Parabéns!

    ResponderEliminar